Dez anos depois, Pirapora FC prepara o retorno ao profissionalismo

PARCERIA DA Bélgica tem sido determinante para o projeto do Peixe, que prioriza estrutura para levar ideia adiante

Roupa nova para marcar a nova fase do Pirapora FC, que fecha parceria com belgas (DIVULGAÇÃO)
DO OUTRO lado do Oceano Atlântico vem a ajuda que o Pirapora Futebol Clube tanto esperou para tentar voltar ao cenário do futebol profissional em Minas Gerais. Após exatos dez anos, o “Peixe Barranqueiro” anuncia um planejamento diferente em 2019, que passa pela montagem de uma estrutura que o permita entrar na disputa do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão.

O MECENAS é a construtora Sprl A.D.E.C., de Bruxelas, Bélgica, que se aproximou do PFC a partir da última viagem que o presidente e técnico Luiz Pereira fez à Europa. Quando atleta, ele residiu na Bélgica e na Holanda e, desde então, manteve contatos com dirigentes nos dois países para levar jogadores para testes, sempre que possível. Dessa vez, foram três jovens que foram observados.

“MOREI NA Bruxelas, Amsterdã e outras cidades do interior e procurei manter um bom relacionamento por lá. E nesta última viagem acho que tudo conspirou a favor, diria que teve até a mão de Deus para ajudar a realizar os nossos sonhos”, disse Luiz Pereira, em recente conversa com a VENETA.

ELE RECONHECE também que a exposição do trabalho do Pirapora nas redes sociais, especialmente com a iniciação de jovens no futebol, foi outro atrativo para a empresa belga conhecer e se aderir ao projeto. “Eles viram as nossas dificuldades e se prontificaram a fazer a parceria, que deve durar um bom tempo”.

COMO SERÁ

Luiz Pereira , aqui no estádio do Anderlecht, esteve recentemente
na Europa para contatos sobre testes e parcerias para o Pirapora
FUNDADO EM junho de 2001, o Pirapora disputou a Segundona Mineira em cinco oportunidades, a última em 2009. Em todas as temporadas, o time foi eliminado ainda na primeira fase. A ideia, ainda segundo Luiz, é mudar este histórico, especialmente porque o perfil do Campeonato vai ao encontro do que o PFC quer: “dar chances aos mais jovens”.

NA SEGUNDA Divisão, o limite de idade é de 23 anos, com apenas cinco inscrições por jogo acima desta faixa etária. O clube quer mesmo é dar espaço aos mais jovens. Por enquanto, a fase é de testes e observações de atletas juvenis, juniores e de nove em idade adulta nos treinamentos e jogos-treinos.

O PIRACAM, clube campestre da cidade, virou a casa do Peixe, que assumiu a manutenção dos campos para ter direito de utilizá-los como local de treino. O local oferece, ainda, estrutura de piscina, alojamento, sauna e academia. “No futuro bem próximo, diante dessa nova organização, surgirão outros parceiros”.

FMF

SOBRE AS dívidas pendentes com FMF e VBF para regularizar o clube, Luiz explicou à VENETA que os valores estão sendo negociados dentro da parceria com a empresa da Bélgica. Sobre os valores, ele preferiu não falar, mas reconhece que o clube precisa trabalhar em outra frente, que é conseguir colocar um dos estádios locais (Municipal e do Comercial) em condições de aprovação na vistoria da Federação para os jogos da Segundona. 

AS CORES do Pirapora são azul, amarelo e branco. As novas camisas são predominantemente brancas, mas o clube fez um modelo especial na cor preta para comemorar a “maioridade” do clube (completa 18 anos em junho próximo). Nas redes sociais do PFC, vídeos com depoimentos de ex-jogadores ajudam a divulgar o projeto.