Juninho Galego coloca Montes Claros no Top-3 do Enduro da Independência

PILOTO CONQUISTA o terceiro lugar geral na Categoria Over-40 da edição 2017 da mais tradicional prova de regularidade do país

Galego durante o quarto dia de prova, em Lavras: subidas em excesso, pedras e problema na moto (fotos: Janjão Santiago)
O MONTES-CLARENSE Juninho Galego conquistou um resultado histórico para o Norte de Minas. Pela primeira vez na história a região teve um piloto no Top-3 do Enduro da Independência, a mais tradicional prova de regularidade do Brasil. Galego conquistou o terceiro lugar geral da categoria Over-40 após os 700 KMs em quatro dias de prova, entre Aparecida do Norte/SP e Lavras, no Sul de Minas. Foram oito etapas ao longo do percurso, com 129 pontos conquistados. O campeão da categoria foi Dário Júlio (MG), com 200 pontos, seguido pelo paranaense Clécio Hiert (169 pontos). Os dois já foram campeões brasileiros.

ESTA FOI apenas a segunda vez que Juninho disputou o Enduro da Independência. Além de ser considerada uma das provas mais duras do País, está também entre as mais caras. “Precisei contar com muitos amigos para chegar lá. Divido a conquista com todos eles”, resume Galego, que contou com pelo menos dez patrocinadores para arcar com os cerca de R$ 4,5 mil suficientes para disputar a prova (viagem, hospedagem, inscrição, equipamentos).


Premiação em Lavras: Galego está à direita do vencedor Dario
“ESTIVE NO Independência do ano passado e vi o quanto o nível técnico é alto. O Enduro te exige muito mais do que preparação física e mental. Fica ainda a torcida para que o equipamento seja resistente e para não se acidentar”, disse à VENETA.

RESUMO DA ÓPERA

NA CONVERSA com o blog, Juninho Galego fez uma espécie de resumo da prova: uma combinação de pedra, areia, morro, matas fechadas... “A largada foi em Aparecida do Norte e no primeiro dia seguimos até Itajubá, com trilhas mais leves, mas com médias bem justas. O terreno era bem diferente do que temos por aqui, com matas fechadas e lugares escorregadios”.

DE ITAJUBÁ, o roteiro do segundo dia seguiu até Três Corações. “Era outro cenário, com muitas pedras, troncos e raízes altas pelo caminho, mas fui bem: quinto nas duas etapas do dia”.

DE TRÊS Corações, o enduro seguiu para Lavras no terceiro dia, cortando cidades como a mística São Tomé das Letras e Luminárias. “Vou negar não! O cansaço bateu, mas encontrei uma trilha mais parecida ao meu estilo, com muita pedra, areia, subidas e descidas. Ainda tive que contornar um problema com a moto. A corrente afrouxou e estragou a carcaça da moto. Perdi muito tempo, mas consegui chegar ao final, mesmo com o meu pior resultado numa etapa (13º lugar)”.


Galego durante o quarto dia de prova, em Lavra
O QUARTO e último dia do Enduro da Independência foi disputado todo ao redor de Lavras. “Foi o pior dia: além do desgaste de moto e físico, teve uma exigência maior na interpretação de roteiro; utilizaram muitas referências parecidas e exageraram nos “balaios” (trechos repetidos no roteiro, mas com direções diferentes). Além disso, lá em Lavras tem morro demais; subir e descer foi o que mais pesou”.

MESMO COM estas adversidades, o último dia foi justamente o de melhor desempenho de Galego, que foi 4º na etapa 7 e 3º na etapa 8.

TREINO

O DESAFIO de repetir a dose do ano passado e disputar o Enduro da Independência pela segunda vez começou para Galego lá no início do ano. “Fiz uma preparação de quase oito meses, apostando em treinos na região de Botumirim, que tem muita coisa parecida às do roteiro; são bem exigentes”, disse.


Relevo íngreme foi predominante em grande parte da prova, especialmente nos dois últimos dias
SEGUNDO JUNINHO, em média foram dois treinos por mês na região de Botumirim e Itacambira, com variação de 250 a 420 KM a cada preparatória. “Agradeço a todos os amigos por esta conquista, mas tenho um agradecimento especial ao meu irmão Borracha, que foi o fiel escudeiro desde os treinos até o enduro, no suporte técnico e no incentivo”.

A CATEGORIA Over-40 teve 17 pilotos que conseguiram completar a prova entre Aparecida e Lavras. Galego contou com o apoio da Minas Peças Januária, Rocha Móveis, Droga Sara, Harumi Sushi, Supertrilha, Magazine Faria, Eucalíder, Leandro (Augusto de Lima), Retífica Vitória e Filhos da Trilha.


Classificação geral - Over-40 - Clique para ampliar

Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: