Mesmo com coleção de títulos, handebol vive incertezas

PARA CONTINUAR nas disputas nacionais, projeto depende da renovação de patrocínios e de novo convênio - ajuda que nem chegou a receber, ano passado
Pelo Colégio Padrão, MOC foi campeã nacional dos Jogos da Juventude e disputaria o Sul-americano (cancelado)

MODALIDADE COLETIVA de Montes Claros com o maior número de títulos oficiais na temporada passada, o handebol deu início aos trabalhos em 2017 nesta semana, com os treinos para as equipes adultas masculina e feminina. As categorias de base começaram os trabalhos um pouco antes, paralelamente ao ano letivo das escolas públicas e particulares.
Foram 16 pódios oficiais em 2016 (Wesley Gonçalves)
A FEDERAÇÃO Mineira de Handebol (FMH) já adiantou o calendário do ano e os primeiros desafios da temporada serão para as equipes Cadete e Júnior. Com quatro títulos nos estaduais de base do ano passado, a cidade será sede de algumas disputas. Para os adultos, o primeiro desafio será a fase regional dos Jogos do Interior de Minas (JIMI) e, mais à frente, as fases iniciais do Estadual. Por sua vez, a Confederação Brasileira de Handebol ainda não divulgou as datas das disputas oficiais em 2017, como o Brasileiro, Copa Brasil e a Liga Nacional.

ALGUMAS COISAS mudaram de um ano para o outro. Embora tenha alcançado 11 títulos, três vices-campeonatos e dois bronzes em disputas mineiras e brasileiras, a realidade financeira do projeto Montes Claros Handebol é cheia de incertezas, segundo explicou a coordenadora Francis Almeida à VENETA.

CAUTELA

“TEMOS O interesse de disputar todas as competições possíveis, mas estamos bem cautelosas para assumir compromissos. A realidade financeira mudou. Neste momento, estamos somente com um patrocinador master confirmado. Outros três ainda aguardamos o retorno”, disse Francis.
SOBRE OS
recursos do convênio de R$ 100 mil com a Prefeitura que ajudaria o time na Liga Nacional/2016, o repasse do município para o Handebol foi aprovado pela Câmara Municipal na administração anterior, mas nem mesmo uma parcela foi paga. Ainda assim, com um elenco jovem e praticamente doméstico, o time disputou de forma inédita a Liga Nacional Feminina, com viagens longas e onerosas para São Paulo e Santa Catarina.


Troféu de Bronze na Copa do Brasil no Amazonas (fotos arquivo)
MESMO SEM a receita maior receita do orçamento planejado, que viria da Prefeitura, Francis revelou que nenhuma dívida ficou pendente. “Infelizmente passamos por isto, mas graças a Deus não devemos a ninguém”, confirmou.

GRUPO

A COORDENADORA revelou à VENETA que, por causa da restrição de receita não há mais como manter a casa para a moradia das atletas de fora da cidade que integravam o time adulto. E mesmo com direito adquirido para disputar o Campeonato Brasileiro como vices-campeãs mineiras, “não há como confirmar agora que podemos participar”. Assim, somente quem é de Montes Claros vai jogar neste ano, pelo menos por enquanto. “Perdemos quatro jogadoras e para recompor vamos trabalhar com meninas recém saídas do time júnior para fechar o grupo adulto. Algumas atletas são universitárias que vão conciliar os treinos com as aulas e nem sempre teremos um grupo completo”.


EM 2016, o Montes Claros Handebol foi campeão geral dos Jogos Escolares de Minas Gerais (masculino e feminino), campeão brasileiro masculino dos Jogos da Juventude (Olimpíadas Escolares). Ainda nos dois naipes, foi o melhor time de Minas nas categorias Cadete e Juvenil, além da microrregional e regional dos Jogos de Minas (JIMI). Ainda foi vice-campeão mineiro adulto (masculino e feminino) e vice-campeão geral do JIMI (feminino). No infantil, os meninos foram bronze, assim como as meninas, que conquistaram o terceiro lugar geral da Copa do Brasil.
Com base jovem, time feminino teve a primeira experiência numa liga nacional, em 2016 (foto: Rubem Ribeiro)

NA LIGA Nacional Feminina, o time esteve na chave Sul/Sudeste/Centro fez oito jogos contra Pinheiros, Blumenau, São Bernardo e Concórdia. A experiência das adversárias, que já têm trabalhos consolidados em nível nacional, falou mais alto e as montes-clarenses não venceram nenhuma partida, mas deixaram boas impressões. Elisângela foi a quarta artilheira da primeira fase, com 36 gols, seguida pela central Tâmiris, com 33. Ambas, além da goleira Gabriela, foram sondadas por técnicos de outras equipes.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: