Difícil, mas com vitória

OSCILAÇÕES DE rendimento atrapalham, mas não comprometem a estreia com sucesso do Montes Claros na Superliga: 3x1 Canoas

Jogo de muitos erros de ambos os lados, mas o Montes Claros foi mais eficiente
AS PARCIAIS altas resumem o grau de dificuldade que o Montes Claros Vôlei teve em sua estreia na Superliga Nacional 2016/2017, na tarde/noite deste sábado. Em casa, o time arrancou com vitória diante do Lebes/Gedore/Canoas por 3 a 1, parciais de 25/21, 22/25, 25/20 e 25/23. O central Thiago Salsa recebeu o troféu Vila Vôlei como o melhor atleta em quadra, indicação da comissão técnica vencedora. (Foto: Alex Sezko)

NO PRÓXIMO sábado, o MCV receberá o Minas Tênis, pela segunda rodada, reedição do clássico que definiu uma das semifinais do Campeonato Mineiro – e o time de BH levou a melhor. Nesta temporada, eles já se enfrentaram três vezes e o Montes Claros venceu apenas uma.

Público ficou na casa das 1,1 mil pessoas; técnico adversário estava suspenso
A MÉDIA de público da temporada anterior no Ginásio Poliesportivo Tancredo Neves, próxima a 3 mil pessoas, ficou longe de ser repetida nesta estreia. Minutos antes de o jogo começar, a cidade registrou um temporal, que se intensificou noite adentro. Cerca de 1,1 mil pessoas acompanharam a estreia com vitória.

ALTOS E BAIXOS

ASSIM COMO nos outros fundamentos, o Montes Claros teve altos e baixos em relação à eficiência no saque, mas em momentos cruciais conseguiu quebrar o passe do adversário, especialmente em aces com Luan Weber e o ponteiro Alê, que ganhou a posição no decorrer do jogo. O ponto que selou a vitória, por exemplo, foi em um saque flutuante do central Salsa, que Alison Martins, do Canoas, não conseguiu recepcionar.

Experiente Cléber começou como titular nos dois primeiros sets
À PROCURA do melhor rendimento, o time colocou todos os relacionados em quadra ao longo dos quatro sets – com exceção do ponteiro Jonatas e do central Dianini. Os levantadores foram substituídos ao longo dos quatro sets. O experiente Cléber Mineiro, última contratação, jogou como titular até a primeira parte do segundo set. As jogadas de centro, com Salsa e Robinho, foram mais intensas nos dois sets finais e os dois foram determinantes em pontos de bloqueio, especialmente quando o time estava atrás no placar (o que foi recorrente ao longo do jogo).

NUMA ANÁLISE geral, o técnico Marcelinho Ramos entendeu que o seu time estava um pouco nervoso, diante de uma estreia de Superliga, mas comemorou bastante a vitória contra um adversário que considera direto na classificação final da primeira fase. A celebração foi até de uma maneira especial já que a sua esposa veio de Porto Alegre/RS para acompanhar o jogo.

[SOBRE O nervosismo do time] “Vejo isto de uma forma positiva; acho que a ansiedade está inserida na preparação de uma partida como esta. Tem que ter o frio na barriga numa hora como esta. Era uma estreia em casa e a gente ainda vinha de uma derrota numa semifinal do Mineiro, que também havia acontecido em casa”, analisou.

MAS O comandante do MCV viu falhas até certo ponto preocupantes. “Conseguimos imprimir um ritmo muito bom na maior parte do tempo, mas houve muitas oscilações ao longo do jogo, e de forma contínua em alguns momentos cruciais. A oscilação vai ocorrer, mas ela não pode ir a um nível tão baixo como está acontecendo com o time. É continuar trabalhando”.

NOTA SETE

NUMA ESCALA de zero a dez, o oposto Luan avaliou a vitória com a nota “sete”, mas tem a consciência de que ele e restante do grupo precisam evoluir bem mais numa sequência de Superliga. “A gente treina muito com os dois levantadores e temos o acerto de bola com ambos. O Marcelinho tem confiança em todo mundo e vai continuar mexendo no time dentro do jogo quando este ou aquele jogador não estiver bem”. Sobre o bom rendimento individual no saque, ele vê mérito do treinador, que lhe dá liberdade para forçar sempre.


Marcelinho Ramos "Quando oscilamos depois, o nível do time ficou muito baixo"
MELHOR EM quadra, Thiago Salsa dividiu o mérito da estreia com a torcida.

PELO LADO gaúcho, lamento pela atuação abaixo da crítica, na avaliação do auxiliar técnico Chiquita, que ficou à beira da quadra diante da suspensão de quatro jogos do técnico Marcelo Fronckowiak. “A gente tinha um ritmo de jogo maior em relação ao Montes Claros. Esperava mais”.

MULTICAMPEÃO COM a seleção brasileira, Gustavo Endres agora é o gestor do Canoas e foi mais crítico na análise do desempenho de sua equipe na estreia. “Esperava mais do meu time. Começou um pouco apática e demorou a reagir durante o jogo. Quando o Montes Claros impôs o ritmo, a gente não conseguiu reverter. Temos muito no que melhorar, até porque a equipe tem atletas jovens em algumas posições, mas jovens que são adultos e que foram das seleções de base. Têm que mostrar que querem mais e sentir a derrota, evoluir, brigar entre eles. Precisamos cobrar mais um do outro, brigar no bom sentido. Tem muito a melhorar no restante da Superliga”.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: