Para chegar inteiro à Superliga

FISIOTERAPEUTA DO Montes Claros Vôlei - Jomar Almeida - analisa os cinco primeiros meses de trabalho e destaca a resistência do elenco às lesões mais sérias

ÚNICO A participar de todos os projetos da cidade no vôlei profissional, desde 2009, o fisioterapeuta Jomar Almeida conversou com o VENETA sobre o início de mais uma temporada. 


O TRABALHO é diário e torna-se mais intenso diante do método adotado em estabelecer uma preparação individual para cada atleta. Desde o multicampeão André Nascimento, que ainda requer um trabalho especial, até o novato Kadu, que chega nesta semana vindo de uma maratona de competições internacionais pela Seleção Brasileira.

SEGUNDO JOMAR, o diferencial para prevenir as lesões mais graves está justamente nisto: respeitando as diferenças. Aliás, fora do ambiente do vôlei, quer dar exemplo, como corredor de rua, contagiado pelo espírito esportivo.

VENETA – São cinco meses de trabalho. Pode-se dizer que este novo grupo do Montes Claros é resistente e te dá menos trabalho?

JOMAR ALMEIDA – “Este grupo intercala jogadores de vários tipos, desde os mais experientes como o Salsa, Bob e o André Nascimento e jogadores novos, casos do Renan, Rafael, Índio, Juninho e do próprio líbero Kachel. A gente mescla estes dois perfis: jogadores com velocidade e potencial muito grande e outros com o estilo não tão rápido, mas que associam o condicionamento à experiência”.

VENETA – A primeira grande prova de fogo foi o Campeonato Mineiro, no qual a maioria dos atletas disputou após a sequência mais de treinamentos. Como você avalia o grupo sob o ponto de vista de resistência às lesões?

JOMAR – “O elenco esteve bem neste sentido, principalmente se comparado aos outros times Cruzeiro, Minas, Três Corações e Juiz de Fora. O nosso time se portou muito bem e sem nenhuma lesão. Acredito que isso aconteceu graças ao trabalho específico e eficaz da comissão técnica: treinador, auxiliar, preparador físico e nós fisioterapeutas. Com a periodização que a gente criou – tempo de treinamento e tempo de recuperação –, o time vai chegar inteiro para o primeiro jogo da Superliga [dia 8/11, contra o Taubaté]”.

Jomar e o fisioterapeuta Rodrigo Silva atendem Salsa em jogo pelo Mineiro
VENETA – Os casos de torções e de cansaço muscular são comuns em início de trabalho. Teve algum histórico considerável nestes primeiros cinco meses de trabalho?

JOMAR – “A gente teve alguns registros do que chamamos “acidentes”, como entorses, tendinites, inflamação muscular e a própria fadiga muscular, mas nada de lesão séria ou muito grave, que tira o atleta completamente de ação. Isso deixa claro que o trabalho envolvendo os eixos da comissão técnica foi de grande valia, principalmente para chegar à Superliga com todos os atletas inteiros”.

VENETA – O André Nascimento é o jogador mais experiente do grupo, veio como a estrela da companhia, mas quando chegou à cidade revelou que ficou parado por um ano e meio. Ele ainda merece uma atenção especial ou até aqui dá pra dizer que está no mesmo nível do grupo?

JOMAR – “O grande diferencial do nosso time em relação à recuperação de atleta está na avaliação individual. Não apenas o André, mas também com o Salsa, Bob, Wagner, Kachel e os demais. A gente faz o trabalho individualizado e sempre com este cuidado especial em relação ao André, que é o atleta mais velho do grupo – e por causa de todo este tempo parado. Ele vem respondendo muito bem às partidas e ao programa de treinamento de jogo que a gente colocou. Você pode ver que ele ainda não fez nenhum jogo inteiro, mas não pela condição técnica e tática que ele tem e que todo mundo conhece, mas sim pela programação que foi feita; para ele ser poupado e entrar na Superliga bem, próximo dos 100%”.

VENETA – Além dele, alguém mais merece este olhar com um cuidado ainda maior? O Bob já passou por uma cirurgia delicada na carreira...

JOMAR – “Realmente. O Bob passou por uma cirurgia no ano passado, no ombro, muito delicada e, por isso, a gente tem um cuidado especial também neste caso. Mas faço uma ressalva sobre ele; o Bob é um atleta que gosta de treinar e gosta de se cuidar com os trabalhos de prevenção. Vai à clínica praticamente todos os dias. Claro que a preocupação e o cuidado especial ainda continuam, mas a disciplina dele acaba sendo um facilitador ao nosso trabalho, especialmente nos exercícios de proteção articular para o ombro”.

Jomar é o único a fazer parte de todos os projetos desde 2009
VENETA – Cedido pelo Sada/Cruzeiro, o ponteiro Kadu é o último dos reforços do Montes Claros e chega nesta semana. Tem a “troca de figurinha” com o pessoal do Cruzeiro para saber sobre as condições em que o atleta está chegando ou vocês fazem uma nova avaliação geral?

JOMAR – “Sempre há troca de troca de informações, especialmente no caso do Cruzeiro [Alysson Zuin] e da Seleção Brasileira [Fininho], onde os fisioterapeutas são amigos pessoais, mas é preciso ter uma avaliação inicial sim. Não adianta apenas esse feedback dos outros profissionais. Mesmo sendo jovem, o Kadu literalmente não parou. É um atleta jovem que não teve férias: jogou pela Seleção Juvenil e pela Principal, Mundial Interclubes... A gente precisa avaliar para saber em que ponto ele está de cansaço e fadiga muscular, nível de força e preparação física para fazer a programação específica dele. É um atleta que chega com as credenciais para brigar diretamente por uma posição no time”.

VENETA – Falando em sequência de trabalho, além de ser fisioterapeuta do Montes Claros Vôlei, você tem uma clínica particular, é professor universitário com aulas todos os dias, tem esposa e filhas e agora é corredor de rua. Como é dar conta disso tudo?

JOMAR – “Tem um ditado mais ou menos assim: a gente é que faz o tempo da gente. Mas na verdade, eu tenho a ajuda de muita gente, principalmente da minha esposa Ellen, que me dá uma força muito grande na clínica e nos afazeres em casa. Pelo bem da minha saúde e para dar conta deste ritmo todo é importante não ser apenas um atleta de final de semana. Também tinha que assumir a auto-responsabilidade na parte física e mostrar que eu estou bem. Além de correr, dar conta de jogar a peladinha de futebol que a gente tem aqui antes dos treinos do pessoal do vôlei. Se Deus quiser, neste ano vou disputar a Volta Internacional da Pampulha (risos)”.

VENETA – Esta experiência que você tem no ambiente do time, com a convivência diária com o que acontece dentro e fora de quadra, dá pra fazer um prognóstico do potencial do Montes Claros Vôlei para a Superliga, tipo: onde o time pode chegar?

JOMAR – “Se a gente analisar apenas a questão de orçamento para a temporada, a nossa equipe é, talvez, a décima em investimento financeiro entre os doze clubes da Superliga. Numa característica de montagem de elenco – aí é preciso elogiar o Andrey [Souza, gestor do projeto] e o Marcelo [Ramos, técnico] na escolha de cada jogador –, avaliando um por um do grupo, são poucos como o Salsa, Bob e o André Nascimento que têm experiência de ter jogado como titulares em equipes de ponta. Então, são atletas novos, que têm no currículo a presença em elencos de clubes tradicionais, mas não como titulares.
Acho que foram nomes escolhidos a dedo e que, juntos no mesmo grupo, eles têm tudo para mostrar o potencial e colocar o nosso time entre os oito primeiros da Superliga. Daí em diante, será briga de cachorro grande”.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: