MOC Vôlei perde no 5º set e fica mesmo em terceiro lugar

DE ROSA, público de 5,1 mil pessoas empurrou a equipe, que teve o sérvio Milan Celic como titular pela primeira vez

Com a camisa rosa, mulherres e crianças tiveram acesso livre ao ginásio
O MONTES Claros Vôlei ficou mesmo com o terceiro lugar geral na 1ª fase do Campeonato Mineiro. No sábado, diante do maior público da competição e um dos maiores do País em esportes especializados –, o time equilibrou as forças com o Sada/Cruzeiro e só foi superado no tie-break: 25/21, 15/25, 16/25, 25/21 e 11/15. A arbitragem confusa gerou reclamação dos dois lados (vide matéria). 

Público de 5 mil pessoas entre os maiores no vôlei do Brasil (foto: Chris Jilvan)
O POLIESPORTIVO Tancredo Neves recebeu 5,1 mil pessoas, público que foi reforçado pela campanha do “Outubro Rosa”, de prevenção e informação ao câncer de mama. Pelo menos 50% dos torcedores que foram ao Ginásio usavam camisas rosas – o que garantiu o acesso gratuito.

OS NORTE-MINEIROS fecharam a série de oito jogos com 15 pontos. Minas (16) e Cruzeiro (18), que ainda cumprem o confronto direto, brigam pela liderança. O adversário será definido após o clássico entre MTC x Sada, dia 13, em Contagem. Com um placar de 3 a 2 para qualquer dos lados, o MOC jogará contra o Minas. Se o MTC vencer por 3 a 0 ou 3 a 1, o Sada é que reaparecerá no caminho dos norte-mineiros na semifinal, dia 18/10, em BH.

MUDANÇAS

SEM O central Salsa, na seleção militar, e o levantador Índio, que fez uma pequena cirurgia, o técnico Marcelinho Ramos recorreu ao sérvio Milan Celic como um dos centrais titulares e Rodrigo Ribeiro reassumiu a função de levantador. No primeiro set, o time soube forçar os erros do Sada e com maior eficiência na rede, conseguiu sair na frente.

NOS DOIS sets seguintes, os erros mudaram de lado. Já sem André Nascimento, que sentiu o desgaste do set anterior, o MOC Vôlei insistiu muito nas bolas pelos lados e encontrou resistência na rede cruzeirense. Além disso, o ponteiro cubano Leal manteve a regularidade no ataque e fez a diferença.

Se o Cruzeiro não vencer o Minas, pode reencontrar o MOC na semifinal do Mineiro
O QUARTO set teve dois diferenciais: a boa defesa do Montes Claros com o revezamento dos líberos e o apoio incessante da torcida, que vaiou o adversário até mesmo quando a bola estava parada. O time reagiu e levou o jogo para o tie-break.

NO SET derradeiro foi equilibrado até 4 a 4. A decisão do árbitro em dar um ponto ao Cruzeiro após um ataque do MOC Vôlei que foi para fora, mas tocou no bloqueio, gerou revolta no banco. O técnico Marcelinho Ramos recebeu o cartão vermelho e o time de BH passou à frente. Nitidamente nervoso, o Montes Claros não conseguiu mais igualar o rendimento. Principalmente com Filipe e Alan, o Cruzeiro abriu uma vantagem de três pontos no meio do set e soube administrá-la até o final. (Fotos: Alex Sezko)
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: