Jogos Escolares da Juventude: medalhas históricas em Fortaleza

COLÉGIO ÍNDICE conquista o título e recoloca Minas na 1ª Divisão do Basquete; Padrão garante a prata no handebol masculino

Capitaneado por Kamilla (à frente), time recebe premiação de Josué
HISTÓRIA NOS Jogos Escolares da Juventude para jovens de 12 a 14 anos. Montes Claros garantiu, de forma inédita, duas medalhas numa mesma edição da disputa que se equivale às olimpíadas colegiais do País, encerrada nesse final de semana, em Fortaleza/CE. O time do Colégio Índice, treinado por Rogério Santana e Walleson Fagundes, foi campeão do torneio de basquete feminino – 2ª Divisão –, que garantiu a vaga de Minas Gerais na 1ª Divisão do ano que vem.

NO HANDEBOL, o Colégio Padrão, treinado pelo jovem Lucas Nagem e que há dois anos seguidos é o melhor time dos Jogos Escolares de Minas Gerais (JEMG), terminou como vice-campeão do torneio masculino da 1ª Divisão dos Jogos Escolares da Juventude. O evento na capital cearense foi coordenado pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), como teste para os Jogos do Rio/2016.

NA SELEÇÃO

Kamilla vai para o Sul-americano
DESTAQUE DO basquete montes-clarense, a pivô Kamilla Soares, foi eleita para a seleção geral da modalidade nos Jogos e foi convocada para os trabalhos iniciais da Seleção Brasileira que disputará os Jogos Sul-americanos Sub-14, em Assunção (Paraguai), que vale vaga nos Jogos Mundiais Escolares, em Trabzon (Turquia), em 2016. Ela foi escolhida por uma comissão de seis técnicos vinculados à Confederação Brasileira de Basquete (CBB) para um período de treinos na entidade.

A SELEÇÃO não é novidade para a atleta de 13 anos e 1,97 metro. Kamilla, que também é atleta da Seleção Mineira, já foi convocada para defender o Brasil no Sul-americano Sub-15 na Venezuela – duas categorias acima à da sua faixa etária.

NA 1ª fase, as meninas venceram o Colégio La Salle, do Amazonas, por 47 a 18 e o Colégio Madalena Sofia, de Alagoas, por 39 a 21. A única derrota foi contra o Colégio Santa Catarina de Sena, de Belém/PA, por 31 a 20, mas a campanha foi suficiente para classificar o time para a semifinal. Na semifinal, as adversárias foram da Escola José de Anchieta, do Mato Grosso, e as montes-clarenses venceram por 39 a 21.

"Ganhamos a final de um time que havia nos derrotado na 1ª fase"
E NA decisão, o reencontro contra o time paraense, mas com um final muito diferente em relação à 1ª fase. O Índice venceu por 33 a 15, com vantagem em todos os quartos. Na solenidade de premiação, o reconhecimento de um ídolo nacional. O pivô Josué, ex-seleção brasileira, fez a premiação no pódio ao time de Montes Claros.

“A GENTE tem que ter convicção de que as coisas podem acontecer. Acreditar nas próprias forças. O time teve aplicação, principalmente por ter vencido um adversário que já havia batido o nosso time na primeira fase”, analisou Rogério.

HANDEBOL

“QUANDO A gente chega numa final, claro que a meta é o título, mas conquistar a medalha de prata é algo histórico e vamos comemorar muito”. O desabafo é do técnico Lucas Nagem, ao analisar a campanha do Colégio Padrão na 1ª Divisão do torneio de handebol. O “azar” de sua equipe, segundo ele, foi encarar na decisão do ouro o time que está a 1,8 mil dias invicto e que chegou a Fortaleza como tetracampeão dos Jogos Escolares da Juventude.

Bicampeão mineiro escolar, o Padrão foi prata na disputa nacional
NA DECISÃO, o Colégio Castro Alves, de Cariacica/ES, venceu o Padrão por 14 a 11. Os dois times já haviam se enfrentado na primeira fase, também com vitória dos capixabas por 17 a 9. Ainda na classificatória, os montes-clarenses venceram o Serviço de Educação Integral, do Mato Grosso do Sul (32x20), e a Escola Estadual 13 de Maio, do Mato Grosso (29x16). E na semifinal, derrotaram o Colégio Olavo Bilac, do Paraná (21x16).

Mesmo mais jovens, time será a base da cidade no Mineiro Cadete
“A GENTE caiu numa chave da morte, que contava com os ganhadores dos últimos seis títulos dos jogos. Por isso, traçamos metas gradativas: primeiro não cair, segundo chegar entre os quatro e, por fim, decidir o título. Atingimos duas e por detalhes não completamos as três. O saldo é muito positivo”, completa Lucas. Ele revela que a base do time será desfeita já que apenas três jogadores têm idade para continuar nesta categoria. “No ano que vem, vamos brigar pelos títulos outra vez, mas com um grupo bem diferente”.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: