No Mineiro Sub-15 e Sub-17, Victória estreia contra o Nacional de Nova Serrana

CLUBE ESTÁ na inédita 2ª Divisão e faz projeção de gastos de R$ 75 mil para as duas categorias

A duas semanas da estreia, Victória ainda busca zagueiros
PELA PRIMEIRA vez na história, a Federação Mineira de Futebol estabelece a Segunda Divisão para o Campeonato Estadual Sub-15 e Sub-17 e o Victória será o representante do Norte de Minas na competição. E nesta semana, o clube amarelo ficou conhecendo a tabela para as duas categorias.

A ESTREIA será fora de casa, no dia 1º de agosto, contra o Nacional, no Estádio Astrogildo Duarte, na cidade de Nova Serrana. Os times mais novos (Infantil Sub-15) fazem as preliminares. O experiente Maurélio Miranda, ex-Funorte e mestre em educação física, é o treinador.

O VICTÓRIA está na Chave C e fará seis jogos na primeira fase. Como aconteceu no Campeonato Mineiro Júnior, o clube confirmou na FMF que mandará os seus jogos no Estádio Levi José dos Santos, em Bocaiuva. A mudança tem explicação: para se filiar à Federação, o clube precisava fazer parte de uma liga municipal e como a entidade em Montes Claros está sem presidente há um ano e meio – e quem assine novas filiações –, a solução foi encontrada na cidade vizinha.

A 1ª EM CASA

A PRIMEIRA partida como mandante será no dia 8 de agosto, às 16 horas, contra o Dínamo, de Araxá. E no dia 15/8, o Victória vai a Uberlândia jogar contra o Inter de Minas, novo clube daquela cidade. No dia 29/8, mais um jogo em Bocaiúva contra o Inter, na primeira rodada do returno. Os times vão a Araxá no dia 5 de setembro para jogar contra o Dínamo e fecham a primeira fase no dia 12/9, contra o Nacional, em Bocaiuva.

O CRITÉRIO da FMF para criar a 2ª Divisão segue o ranking de clubes de base, com base nas competições dos últimos cinco anos. A maioria dos times que disputam o Campeonato é de recém filiados. Outro norte-mineiro na disputa é o Funorte, mas que está na 1ª Divisão.

O PRESIDENTE do Victória, Reynaldo Dimas, disse à VENETA que projeta em torno de 25 a 30 atletas para cada categoria, mas os grupos ainda não estão definidos. “A gente ainda precisa de zagueiros”. A projeção de custos para manter as duas categorias com salários, despesas com taxas e com as viagens longas ao Triângulo Mineiro e ao Centro-Oeste é de R$ 75 mil, segundo o presidente. Familiares dos jogadores estão assumindo parte das despesas. Reynaldo reconhece que o clube ainda tem débitos pendentes da recente campanha no Mineiro Júnior.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: