Rugby já trabalha com novas gerações

SELETIVA MOSTRA interesse de jovens e Terremoc já desenvolve a ideia de ter equipes de base de 15 e 17 anos

Seletiva do MC Rugby foi realizada há 11 dias 
CRIADO HÁ pouco mais de dois anos, o projeto do Montes Claros Rugby ainda convive com limitações financeiras e superações de logística, mas nada que comprometa o otimismo. Tanto é verdade que a direção do clube trabalha no incentivo às novas gerações para a prática do esporte. Desde o início deste ano, quase um terço dos 30 jogadores que treinam três vezes a cada semana (terça, quinta e sábado) é formado por pessoas com idade entre 14 e 17 anos. (Foto: Camisa 12/TV Geraes)

ALGUNS DOS novos atletas têm muito tempo de casa: foram observados na seletiva que o Terremoc realizou há 10 dias, no campo da Unimontes. Nesta peneira, como se diz na gíria, o grupo ganhou 15 novos praticantes de diferentes faixas etárias. Há quase um time M-15 e M-17 (a letra M” significa menor ou igual a 15 e 17 anos).

SOBRE A criação de times de base, o MC Rugby iniciou entendimentos com a Unimontes para que possa iniciar os treinos mais cedo do que o habitual. Os trabalhos atuais terminam por volta das 23 horas, um pouco tarde para quem está com menos de 17 anos. Pesa, ainda, o fato de que nem todos os clubes que disputam o Mineiro terem ainda uma equipe de base, embora a Confederação Brasileira tenha uma diretriz que sugere a formação de times jovens para as preliminares os jogos entre as equipes adultas de cada campeonato estadual.

O time vai estar na 1ª Divisão do Mineiro pela segunda temporada seguida
CASO NEM todos os clubes do Mineiro tenham suas equipes de base, ainda sim o MC Rugby mostra interesse de promover jogos preliminares quando for o mandante. Como? A promoção de partidas entre times “A” e “B”. “É claro que tudo ainda está no início; é uma ideia, mas de maneira alguma queremos desmotivar os novos praticantes. Vamos incentivá-los de alguma forma além dos treinos”, disse o presidente do Terremoc, Pedro Emanuel.

OUTRA FRENTE

NÃO MENOS importante e até mais urgente, o MC Rugby tem outra missão: gerar receita para custear as despesas com a anuidade da Federação Mineira de Rúgbi (FMRu), a taxa de participação do Campeonato Union da 1ª Divisão e, ainda, as inscrições de cada atleta. Os valores não são pequenos: R$ 1,2 mil, R$ 3,5 mil e R$ 20 por jogador, respectivamente. Há equipes com dificuldades em assumi-lo e por isso a FMRu evitou estabelecer um cronograma para início do campeonato. (Foto: Divulgação MC Rugby)
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: