Revolta com erros de arbitragem marca nova derrota do Montes Claros Vôlei

OPOSTO PRECISOU ser contido ao final da partida e time vai ter que vencer o Campinas de qualquer jeito para se garantir no G-8

Ponto forte do time em outros momentos, o bloqueio do MOC fez apenas 4 pontos
DEU MINAS Tênis outra vez e o Montes Claros Vôlei perdeu mais um clássico estadual pela Superliga Nacional, sábado, no Ginásio Poliesportivo Tancredo Neves. No jogo que valeu pela penúltima rodada do returno, o time de BH venceu por 3 a 1, parciais 32/30, 12/25, 21/25 e 22/25, e manteve tensa a situação do MCV para o fechamento da 1ª fase. Daqui a cinco dias, o time norte-mineiro receberá o Brasil Kirin/Campinas e terá que vencer a qualquer custo para chegar aos play-offs.

O MONTES Claros segue com 26 pontos no oitavo lugar, a apenas um à frente do Voleisul, que venceu o Canoas no sábado. O time gaúcho receberá o Minas na última rodada. A UFJF perdeu para o Maringá e segue com 23, mas na rodada final será mandante contra o lanterna e já rebaixado São Bernardo. O MOC pode classificar até mesmo com derrota, desde que os demais percam.

A DERROTA pode ser explicada pelo mau rendimento no saque e na rede que o MOC Vôlei teve (foram apenas seis pontos nestes fundamentos), mas não há como deixar de lado os erros de arbitragem. Foram pelo menos seis decisivos; todos gritantes. A revolta foi tamanha que ao final da partida o oposto Edinho precisou ser contido pelos companheiros de time após se dirigir ao primeiro árbitro Alair Lúcio Silva.

SEM TEMOR

O JOGADOR disse à VENETA que não se arrependeu da reação. “Não estou querendo justificar a derrota, mas o que me deixou mais indignado foram os erros da arbitragem que prejudicaram seriamente a nossa equipe. E o que é pior: não foi um erro só; foram vários. Isso vai tirando nossa concentração, nossa paciência. Cheguei a sair em alguns momentos do jogo por causa disso. Bastaria eles assumirem e voltarem atrás na decisão, mas eles [árbitros] nunca voltam”.

SOBRE POSSÍVEIS represálias num relatório da CBV, Edinho disse que preferiu correr o risco. “Alguma coisa precisa mudar e estou correndo o risco de ser punido. A dois metros, o bandeirinha marcou a bola dentro e ele [Alair] a nove deu bola fora. Como é que se explica isso?”, completou o oposto, ao se referir a um lance ao final do 4º set, após um ataque do argentino Cristian que caiu dentro da quadra adversária.

PARA O técnico do Minas, Nery Tambeiro Júnior, que passou pelo MOC na temporada passada, o resultado foi justo. “O Montes Claros tem um time experiente e com uma torcida que bota pressão. Acho que o jogo foi decidido nos detalhes e não seria exagero se fosse para o tie-break. O primeiro set com o placar alto (32/30) foi uma mostra disso”. Indagado sobre os erros de arbitragem, o treinador minimizou e disse que não transfere responsabilidades para uma terceira pessoa que não seja da sua comissão ou do seu grupo. “Os erros vão acontecer e isso é normal. Não acho que ele [árbitro] tenha sido tendencioso, mas não foi isso que trouxe o resultado para o Minas. O Montes Claros tem chances reais de classificação, depende apenas dele, mas precisa assumir suas responsabilidades”.

NERY PREFERIU elogiar o seu time. “Tenho um grupo formado por jovens, mas todos eles passaram pelas seleções de base: infanto, juvenil e a sub-23. Todos precisavam de uma chance para jogar e o Minas deu esta oportunidade. Como bons profissionais, eles estão aproveitando isto. Oscilam às vezes, mas nos superamos nos momentos mais difíceis”, finalizou.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: