"Comissão física" explica como será a rotina inicial dos atletas do MOC Vôlei

SERÃO PELO menos dez dias de avaliação médica e testes físicos, além de uma carga leve de treinamentos

Preparadores Pedro Henrique e Rodrigo Gonçalves e o fisioterapeuta Jomar Almeida
NESTES PRIMEIROS dias de trabalho do Montes Claros Vôlei/MCTC, os atletas já encararam uma maratona de exames e testes que consistem nas avaliações médica, física e fisioterapêutica. Os trabalhos são coordenados pelos preparadores Pedro Henrique Castanha e Rodrigo Gonçalves e pelo fisioterapeuta Jomar Almeida.

A PARTIR da definição do perfil de cada atleta, a comissão técnica atuará para minimizar as diferenças. O objetivo é deixar o condicionamento físico do grupo o mais nivelado possível para, daí, partir para os treinos mais intensos.

DE ACORDO com Jomar Almeida, cada atleta passará por avaliação cardíaca, odontológica, ortopédica, além dos exames de sangue e clínicos, teste postural e de capacidade respiratória, antropometria e avaliação dos níveis aeróbicos e anaeróbicos.

ACADEMIA E AREIA

ASSIM, NOS primeiros dez dias, os treinos estarão restritos a musculação e trabalho na areia, com simulação de movimentos de quadra. “Além de ajudar na avaliação de mobilidade, a areia reduz bastante o impacto do atleta e o risco de lesões”, explicou Jomar. Nessa sexta-feira, por exemplo, os atletas fizeram trabalho no "slackline", como avaliação do equilíbrio e coordenação.

Rodriguinho no exercício de "slackline"
PEDRO HENRIQUE, o Peu, vem do futebol. Nos últimos dois anos, trabalhou na preparação física do Montes Claros Futebol Clube. O esporte especializado não é novidade no currículo. Peu fez parte da comissão técnica da seleção mineira de basquete feminino sub-17, campeã brasileira de estados em 2011. “Cada modalidade tem a sua particularidade, mas o fundamento da preparação física é basicamente o mesmo”, explicou.

JÁ RODRIGO Gonçalves está de volta ao ambiente do vôlei. Fez parte da comissão técnica do primeiro time que a cidade teve em duas temporadas entre 2010 e 2012. Aos 26 anos, é formado em educação física e fisioterapia – além de ser professor universitário – e deve acumular as duas funções no decorrer dos trabalhos. “No vôlei, assim como outros esportes, há uma relação entre estas duas áreas”, resumiu.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: