De volta à casa contra o lanterna UFJF

COM ELENCO reduzido e problemas de contusão, Montes Claros Vôlei tenta reagir para encostar outra vez no G-8

Everaldo reconhece instabilidade e lembra
das adaptações que o time vem sofrendo
“NECESSITAMOS RETOMAR ao caminho de volta rumo ao G-8”. O discurso do líbero Tiago Brendle resume qual é a missão do novo Montes Claros Vôlei para este sábado, no jogo válido pela 4ª rodada do returno da Superliga Nacional, contra a UFJF. O desafio será às 21h30, no Ginásio Poliesportivo Tancredo Neves, que volta a receber uma transmissão de jogo para a TV. O canal a cabo Sportv será exibido ao vivo. Os ingressos curtam R$ 10,00.

OS DOIS times mineiros não estão bem na classificação geral. O Montes Claros perdeu na última rodada e caiu para o 10º lugar com 12 pontos e três vitórias e o UFJF é o lanterna geral, com oito pontos, com apenas duas vitórias. No turno, os juiz-foranos venceram por 3 sets a um.

O LÍBERO Brendle tem razão quando fala “necessidade”. O time não vence há mais de 40 dias. O último sucesso em quadra foi diante do Vivo/Minas, em Montes Claros: 3 a 0. De lá pra cá foram quatro derrotas.

ADAPTAÇÃO

O CAPITÃO e levantador Everaldo reconhece que os erros têm sido acima do normal, mas justifica que o grupo ainda está em fase de adaptação à nova forma de jogar depois dos sucessivos desfalques. Nada menos que sete jogadores deixaram o clube no início do ano. “A pressão vem de todos os lados, mas a gente tem que entender que o time mudou muito”, disse, ao fazer menção às constantes mudanças.

PARA ELE, mesmo com as adversidades, o time não deixa de ser guerreiro e faz um pedido: “precisamos da ajuda da torcida. Joguei contra o antigo time da cidade e sentia a pressão em quadra. Esperamos contar com esse reforço neste momento de dificuldades”.

O TÉCNICO Nery Júnior também evidenciou seus problemas diante de um grupo reduzido. Os ponteiros foram poupados na maioria dos trabalhos da semana por causa de dores musculares e até mesmo contusão. Ele tem apenas 12 atletas à disposição. “O grupo faz o máximo que pode", completou. O treinador acredita que o time possa buscar pelo menos um reforço caso a CBV e os demais clubes autorizem o Rio de Janeiro Vôlei a contratar. O time carioca vive uma crise financeira e perdeu cinco atletas de uma vez.

POR CAUSA das poucas opções, o central Athos passou a jogar de oposto e Vivalde, que era oposto, virou ponteiro. Até mesmo Brendle, citado no início da matéria, treinou como ponteiro.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: