Campanha ruim não justifica “vistas grossas” com a regra

CLUBE TRICOLOR sabe que deixou escapar classificação em campo nos jogos diretos contra o rival Nacional

O Montes Claros venceu apenas um jogo como mandante
RECRIADA EM cima da popularidade alcançada pelo Montes Claros Futebol Clube nos anos 90, primeiro clube da cidade a entrar pela porta da frente na Elite Mineira, e da expectativa da torcida em rever um time profissional com o nome da cidade, a nova versão do Bicho chega ao fim da linha com a duração de apenas dois meses. A sus volta em 2013, diante da falta de um CT próprio e de um maior suporte financeiro, ainda é uma incógnita.

COM APOSTA em uma base jovem vinda de clubes da capital e do interior de São Paulo, sob o comando do experiente técnico Wantuil Rodrigues, o atual grupo foi montado ao final de julho e em menos de 30 dias já estava estreando pela Chave B do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão contra a Ituiutabana, em casa, com o empate em 1 a 1. A primeira vitória veio fora de casa, contra o Portal: 1x0. Na sequência, os dois resultados que culminaram na eliminação precoce do time na primeira fase: perdeu duas vezes para o Nacional de Uberaba (0x1 e 0x3), que viria a ser seu rival nos tribunais.

Wantuil assumiu o time e montou o elenco
HAVERIA AINDA mais dois jogos. Goleou o Portal em Montes Claros por 3 a 0 e empatou de novo com a Ituiutabana, fora, sem gols. A campanha irregular com apenas oito pontos não foi insuficiente para lhe dar a vaga automática para a 2ª fase como um dos dois melhores da chave.

CHANCE NOS TRIBUNAIS

NO ENTANTO, a chance viria nos tribunais. O Nacional de Uberaba, que foi o vice-líder com 12 pontos, fez a sua partida de estreia com o meia Thiago Carvalho em situação irregular. Em maio deste ano, como atleta do Mamoré no Módulo II, ele foi expulso e julgado pelo TJD. Recebeu dois jogos de gancho e cumpriu apenas um. Como não houve pedido de reversão de pena antes de a Segunda Divisão começar, Thiago deveria ter ficado de fora do primeiro jogo, o que não aconteceu.

NESTE CASO, conforme o artigo 23 do regulamento da Segundona, o clube incidente é responsável direto pela situação de jogo de seus atletas e, em caso de irregularidade, de acordo com o artigo 214 do CBJD, deve ser punido com a perda dos pontos conquistados (o Nacional venceu o Portal por 3 a 1) e a perda de mais três pontos como penalidade da lei.

NO ENTANTO, mesmo todas as evidências, o Nacional foi absolvido dessa denúncia na 1ª Instância. O recurso julgado pela 3ª Comissão Disciplinar, na qual a própria FMF denunciou o clube de Uberaba, os procuradores votaram contra a aplicação da pena por 3 a 2. Por isso, tanto o Montes Claros quanto a Federação recorreram no Tribunal Pleno.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: