Estádio José Maria Melo: liberação próxima, mas com restrição

SE PRAZO de 10 dias para conclusão de obras for seguido à risca, Funorte receberá Mamoré dia 28/03

ESTÁ PERTO do fim a novela sobre o veto do estádio José Maria Melo para que receba os jogos restantes do Funorte pela primeira fase do Campeonato Mineiro do Módulo II. Segundo o Cassimiro de Abreu, proprietário do campo, o Corpo de Bombeiros já teria sinalizado a possibilidade de liberação, ainda que com restrições, do laudo de segurança (pânico e emergência).

ESSE É o último documento pendente para que a Federação Mineira de Futebol (FMF) obtenha junto ao Ministério Público (MP) a autorização de uso do estádio em partidas oficiais.

NO ENTANTO, segundo informou a diretoria cassimirense ao JN desde a terça-feira, a restrição teria validade por 10 dias para a conclusão de todas as obras exigidas pela corporação. Caso não sejam cumpridas, o estádio volta a ser interditado. O Módulo II teve início em 12 de fevereiro e desde então o Funorte foi obrigado a transferir três de seus jogos em casa para Patos de Minas e Patrocínio por causa do veto do José Maria Melo. Dois já foram realizados contra Patrocinense e Araxá. O terceiro será depois de amanhã, contra a URT, em Patrocínio.

ALÉM DE hidrantes e extintores, o Corpo de Bombeiros exigiu ao Cassimiro (claro, extensivo ao Funorte) a instalação de dois portões de 4,30 metros de comprimento (um na entrada e outro para acesso pela rua do fundo), além de um portão de dois metros de largura – com rampa – ao lado das bilheterias exclusivo para cadeirantes, mas que também será usado para a imprensa e atletas. O portão da rua lateral (de cima) também teve que ser substituído por outro de 4,30 metros com abertura em abas para fora. Entre materiais e mão-de-obra, os custos chegam a R$ 5,1 mil.

TRÊS DESSES portões já foram assentados e vistoriados por quatro homens do Corpo de Bombeiros, ao final da tarde desta quinta-feira, conforme constatou a VENETA. Outra exigência diz respeito à instalação de 30 lixeiras, que foram doadas pelo Funorte. O Cassimiro foi obrigado a adaptar três pontos do alambrado ao redor do campo para a instalação de mais três portões de acesso direito das arquibancadas.

AINDA PENDENTE está a aquisição, instalação e funcionamento de 10 lâmpadas indicativas para as saídas de emergências do estádio (ao custo de R$ 21,00 cada). O diretor Edson Luiz, o Lula, do Cassimiro, adiantou que o laudo provisório dos Bombeiros evidencia, ainda, a perda da capacidade de público do estádio. A partir de agora, que mandar seus jogos no José Maria Melo, poderá receber, no máximo, 3,2 mil pessoas.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: