Nem a conta-gotas veio a vitória sobre o Minas

Flagrante emblemático do fotógrafo Rubens Santana: árbitro Alair espera goteira cair na palma da mão
EM MAIS uma incidência de goteiras no Poliesportivo, com paralisação por 50 minutos, BMG/Montes Claros perde outro clássico

NÃO FOI dessa vez que o BMG/Montes Claros conseguiu vencer um clássico mineiro pela Superliga Nacional 2011/2012. Na noite de quarta-feira, diante de 2,1 mil pessoas, perdeu para o Vivo/Minas por 3 a 1 e quebrou a sequência de três vitórias que mantinha dentro do Ginásio Tancredo Neves. Outro ponto negativo foi a paralisação do jogo por exatos 50 minutos diante da nova incidência de goteiras em cima da quadra. Dessa vez, o clube está ciente de que será multado pela CBV, já que é o terceiro registro do problema no Poliesportivo. Antes, havia sido apenas advertido.

O RESULTADO foi ruim em todos os sentidos, a começar pelo fato de o Esquilão não conseguir se aproximar da oitava colocação, última na zona de classificação para os play-offs. Segue cinco pontos atrás do BMG/São Bernardo (8º) e sete a menos que o Medley/Campinas (7º). No sábado, terá pela frente o Vôlei Futuro, em Araçatuba/SP, às 15 horas, com transmissão pelo SporTV.

NO PRIMEIRO set, o Minas fez 25/19. Errou muito menos e teve no levantador Marcelinho seu melhor jogador com boa variação nas bolas de meio e pontas, anulando o bloqueio montes-clarense. No set seguinte, com Pereyra e Tuba no mesmo time, o Montes Claros começou arrasador e abriu 7 a 3 até que o jogo teve de ser paralisado por causa das goteiras.

ÁGUA, VENTO E GOTEIRAS (de novo)

CHOVIA MUITO
forte em Montes Claros e a água aliada ao vento mostrou que o serviço paliativo no telhado não amenizou o problema de frestas e vazamentos. Com a bola de volta ao alto, o time da Capital retomou o rendimento inicial e chegou a fazer cinco pontos seguidos até a segunda parada técnica (16/11). O Minas se manteve à frente e fechou em 25 a 20 em 85 minutos (50’ de paralisação).

NO TERCEIRO set, o Montes Claros conseguiu repetir o ritmo do início do set anterior, acertou a mão no saque e soube manter a vantagem até o final, mesmo com as reações do Minas: 25/23. No quarto set, o Minas retomou o domínio, se aproveitou dos Eros do Montes Claros principalmente nos contra-ataques e fechou tranquilamente por 25 a 18. Em todo o jogo, o Montes Claros cometeu 30 erros, cinco a mais que o Minas.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: