BMG/Montes Claros vence o Campinas e está a um ponto do G-8

O BMG/Montes Claros atingiu os 50% de aproveitamento na Superliga Nacional de Vôlei 2011/2012 com a vitória sobre o Medley/Campinas, na noite dessa segunda-feira, no Ginásio Poliesportivo Tancredo Neves. Foi por 3 a 1, parciais de 25/15, 22/25, 25/21 e 25/22, na partida com 1,3 mil pessoas que encerrou a rodada de abertura do segundo turno e trouxe de volta à cidade o ídolo Rodriguinho, mas com a camisa do rival. O jogador parece ter sentido a pressão e foi substituído por Fidele. O lamento foram as goteiras que interromperam o duelo por uma hora (veja aqui).

UM PONTO ATRÁS DO G-8



AGORA SÃO seis vitórias em 12 jogos, 15 pontos ganhos e a confirmação do 9º lugar geral, um abaixo da zona de classificação para os play-offs. A chance de voltar para o G-8 já acontece nesta quarta-feira, às 19h30, diante do RJX, no Maracanãzinho (Rio de Janeiro), pela segunda rodada do returno. No sábado, dia 4, o time vai a Florianópolis para enfrentar o Cimed, às 10 horas, com transmissão pela TV Globo, em canal aberto.


OS SETS

O PRIMEIRO
set foi quase que impecável para o Montes Claros, a esquecer a paralisação pelas goteiras logo no 1º tempo técnico (8x7). Teve eficiência em todos os fundamentos e não deu chance para o Campinas reagir: 25x15. A tranqüilidade foi tamanha que o técnico Jorge Schmidt, conhecido por ser enérgico, não esbravejou uma vez sequer à beira da quadra.


MAS NO set seguinte, a coisa mudou da água para o vinho. Houve um apagão do lado montes-clarense, que não fez nenhum ponto de bloqueio e errou mais. O Campinas sobre administrar a vantagem desde o início (8x5). O terceiro set teve mais equilíbrio nos primeiros pontos. O diferencial a favor do Esquilão foi o saque, que quebrou o passe do Campinas, e a defesa, fundamental para os quatro contra-ataques a mais que os visitantes.

O SET
derradeiro teve o destaque negativo dos 40 minutos de paralisação pelas goteiras. Do lado técnico, pelo menos quatro alternâncias significativas no placar. Cada time conseguiu abrir vantagens de 3 pontos, mas cederam. Na última parada por causa da água em quadra, o Campinas vencia por 21x18. Cinco pontos seguidos do Montes Claros mudaram o cenário por completo e um contra-ataque do argentino Pereyra fechou o placar em 3 a 1.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: