Funorte: fase do "ver e rever"


CONFIANTE NA permanência na 1ª Divisão após tanto drama nas rodadas iniciais do Campeonato Mineiro e mesmo ainda dependendo dos resultados de mais dois compromissos, o Funorte parece reconhecer que precisa melhorar em todos os sentidos para que seja levado mais sério pela torcida, empresários, dirigentes, jogadores e a imprensa, tanto daqui como de fora. Esse tipo de ação, mesmo que a demanda propriamente dita seja no aspecto financeiro, passa também por uma consultoria.

REFERÊNCIA NO trabalho de base em Minas e com passagens pelo Oriente
Médio, o técnico Alexandre Barroso esteve na cidade no último fim de semana para apresentar o embrião dessa proposta. Ele vem sendo o consultor para a reformulação do projeto tricolor, mas que passa obrigatoriamente pelo futebol de base e a formação dos profissionais do futebol.

EXPLICAÇÃO

OS GRUPOS
educacionais têm acessos a recursos especiais dos governos estadual e federal para ações esportivas de cunho social. O Funorte pertence a um deles. E para ter direito ao pleito dessas verbas, a proposta passa obrigatoriamente a temas relacionados à formação de atletas, independente da modalidade. Resumindo: objetivo do clube é de criar dois centros de base, um em BH e outro em Montes Claros, além de uma escola de formação de técnicos, auxiliares, massagistas e outros profissionais da bola.

MAS NUMA ANÁLISE à p
arte à consultoria, adiantei uma sugestão ao comando do FEC. Tão logo termine o campeonato, e que tenhamos a boa notícia sobre a garantia da vaga na elite do ano que vem, que o clube faça uma carta aberta com a proposta de, até o final deste semestre, ter uma diretoria e um conselho constituídos a partir de nomes da própria comunidade. Portas precisam ser abertas e no cenário atual o clube precisa mais do que nunca de se expandir dessa maneira.

SOBRE A DICA, O mandatário tricolor não disse sim, nem não, mas deixou a entender que vai pensar no assunto. Pediu até sugestão de nomes para esse novo modelo de comando. Isso com certeza não faltará.

OLHOS

A CAMPANHA em sua segunda participação na Copa São Paulo foi ruim, com a eliminação precoce na primeira fase após três derrotas, mas o Funorte conseguiu sim mostrar seu cartão de visitas na principal disputa júnior do País. Vários jogadores foram elogiados por outros clubes e desde então são acompanhados por empresários, mesmo de longe. A lista tem Felipe, Fayllon, Roger, Lenílton e Gabriel (foto ao lado).

NO CASO DESSE último
, único desse time júnior incorporado ao elenco profissional (autor do gol de empate diante do Ipatinga), Gabriel foi procurado no início de março por um empresário ligado ao Bahia e por duas semanas a conversa se arrastou, mas sem a participação do FEC. Coincidência ou não, não foi mais relacionado para os jogos. Há dez dias, orientado por essa mesma pessoa, foi parar em Salvador para testes no “Baêa”. O FEC reagiu: comprovou o contrato em vigência e o aditivo para renová-lo automaticamente. Sem interesse em confusões, o Bahia passou por cima do tal empresário e o mandou de volta a Montes Claros.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: