Regras mudam no meio do jogo

CBV E TV DECIDEM por modificação de mando de quadra nas semifinais; pela tabela atual, medida poderá atingir em cheio o BMG/Montes Claros

EM MEIO À folga na tabela até o final do Carnaval e à briga direta pela vaga entre os quatro melhores da primeira fase da Superliga Nacional – atualmente é o quarto -, o BMG/Montes Claros foi surpreendido com a decisão da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) e da Rede Globo, detentora dos direitos de transmissão, em modificar os critérios das semifinais.

CASO O CLUBE do Norte de Minas supere o primeiro “mata-mata” – como 4º melhor teria hoje o Vivo/Minas como adversário -, chegaria às semifinais com o risco de não jogar em casa. Isso porque e entidade e a emissora optaram em marcar o segundo confronto entre os semifinalistas somente para Barueri, interior de São Paulo.

ASSIM, SE O Montes Claros encontrar nas semifinais um time melhor colocado do que ele na fase atual, jogaria a primeira partida fora de casa (dia 8 ou 12 de abril), a segunda em Barueri (16 ou 23 de abril) e, caso haja a necessidade de um terceiro confronto, voltaria a acontecer na casa do adversário (22 ou 26 de abril).

A SOLUÇÃO PRÁTICA para “fugir” dessa provável situação é vencer os quatro jogos restantes da primeira fase e melhorar sua posição na tabela, além de torcer por tropeços alheios. Hoje, o clube tem 41 pontos, enquanto os concorrentes diretos Sada/Cruzeiro e Cimed/SC têm 42 e 44, respectivamente.

NA SUPERLIGA passada, o Montes Claros eliminou o Brasil Vôlei Clube/São Bernardo nas quartas-de-final: venceu a série “melhor de três” por dois a um. As vitórias aconteceram em casa.

MAS COMO O Cruzeiro, de melhor campanha, classificou-se na outra chave, os dois times encontraram nas semifinais. O Montes Claros faria apenas um jogo em casa, como de fato aconteceu, mas como venceu o primeiro confronto em Itabira e o segundo em seu ginásio, garantiu a classificação para a final contra o Cimed, em São Paulo, sem a necessidade da terceira partida.

AGORA EM 2011, nesse mesmo cenário da temporada anterior, o Esquilão não teria o direito de jogar em sua quadra. (Foto: Clésio Robert)
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

7 comentários:

Anônimo disse...

Mais uma vez os cartolas do esporte brasileiro domiciliados no Rio de Janeiro denegrindo o esporte... Isso é um absurdo... Com certeza alguem tá levando muita vantagem nisso... Vamo que Vamo Pequi Atomico.....

VALERIA DANTAS disse...

DITADURA DA GLOBO E AFINS!SACANAGEM ISSO..

Anônimo disse...

a Globo manda mesmo no esporte e como o futebol tá encrencando, ela começa a buscar outras alternativas, vai entender a quem isto pode privilegiar e quais interesses excusos envolvidos... Mas Que é uma pena isto é... Manda quem tem grana..

Norberto disse...

Mais uma palhaçada da rede bobo.

Parece que temos que fazer força para a Record ou outra rede transmita os jogos em tv aberta, e não essa coisa, de rede bobo e bbb merda.

Nando disse...

É um absurdo, a maior torcida da superliga não poder ver o ESQUILÃO. Enquanto isso o jogo vai para Barueri
para passar na tv com meia duzia de torcedores na arquibancada, sendo q aqui teriamos mole, 9 mil torcedores.
Fazer o q quem manda é a Globo.

Anônimo disse...

Acredito que no momento temos que fazer uma campanha nacional para quebrar esse monopolio da Globo... A Record está com projeto de transmissão aberta que tem que ser apoiado... Vamo que Vamo Esquilão....

Angelo disse...

bom na verdade a globo ta manipulando e vai prejudicar nao soh o BMG/Moc, mas os que ficarem em terceiro em diante...
pessimo pra o esporte ja eh inclusive a final ser em jogo unico, onde eles bem mandarem...