Goleada em Teófilo Otoni manda o Funorte para a lanterna

TIME ATÉ PRESSIONOU o América, mas pênalti considerado polêmico e expulsão comprometeram o rendimento na pior derrota de sua história

De branco, o Funorte de Anderson Vieira (E) e Fabrício (D) foi goleado pelo América em Teófilo Otoni (foto: site do América/TO)

TUDO QUE
não podia acontecer no sábado virou fato e o Funorte foi goleado pelo América de Teófilo Otoni, à tarde, no estádio Nassri Mattar, pela sexta rodada do
Campeonato Mineiro. O time local venceu por cinco a um, gols de Jônatas Obina (2), Rogélio Ávila (2) e Bruno Barrios entrando temporariamente no G-4. O Tricolor, que teve o seu gol de honra anotado pelo estreante Edenílson, ficou em uma situação pra lá de complicada na competição: já estava na zona de rebaixamento e agora caiu para a lanterna geral por causa do saldo de gols (-9).

EM QUE pese o placar dilatado, o Funorte voltou para casa reclamando muito da arbitragem de Joel Tolentino da Mata Júnior, a começar pelo lance que original o primeiro gol do América, aos 45 minutos do primeiro tempo. O árbitro entendeu que Anderson Vieira puxou o adversário dentro da área. Além de anotar o pênalti, convertido por Ávila, ele expulsou o defensor de Montes Claros. A diretoria prometeu que, dessa vez, fará um protesto oficial à FMF. Mais acomedido, o goleiro Raphael Barrios lamentou a maneira como o gol aconteceu. "Parece que jogamos com um adversário a mais".

ANTES DA polêmica, o time que entrou em campo no 3-5-2 conseguiu pressionar bastante o Dragão. A atuação do goleiro Fábio Noronha pòde resumir isso: protagonizou quatro defesas difíceis antes de o seu time abrir o marcador.

COM DEZ jogadores a partir do intervalo, o Formigão pareceu ter adotado a tática do "perdido por um, perdido por mil". O técnico Luiz Eduardo sacou o ala esquerda Caio Villela e entrou com mais um atacante, no caso Elbinho. Mas a inferioridade numérica pesou contra por causa dos espaços que o América ganhou e aos 16' o lateral Bruno Barros ampliou. O Funorte ainda esboçou uma reação com Edenílson, que entrou no lugar de Dandão e logo em seu segundo lance escorou um cruzamento de Stanley.

O TEMPO para tentar o empate foi curto demais. Aos 27', em um contra-ataque, o América aumentou com Rogélio Ávila e faria o quarto aos 32' com Jônatas Obina. Abatido, o FEC teve tempo ainda de sofrer mais um gol, novamente de pênalti. Aos 41', Obina converteu. Ele agora é o vice-artilheiro do Mineiro com sete gols, atrás apenas de Fábio Júnior, do América, com 10.

EM QUATRO anos de existência, essa é a maior goleada sofrida pelo Funorte em competições oficiais. Até então, o maior revés havia acontecido na Taça Minas Gerais de 2009, em Nova Lima, para o Villa Nova: 0x5.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

3 comentários:

Anônimo disse...

Funorte é o candidato com maior chance de rebaixamento... Acho que a cada jogo isso vira realidade. Vejo que o maior problema do Funorte é um time que não tem uma direção boa... contratações infelizes por uma pessoa sem experiencia em gestão esportiva. O Funorte deveria pedir ao Vitão do Volei uma aula de administração esportiva.

Safra Materiais de Construção disse...

O CHORO É LIVRE!
E SÓ MAIS UMA PALAVRA PARA VCS:
FREGUÊS

Anônimo disse...

mais tb pudera so tem velho nesse time, parece mais um asilo kkkk
com tantos garotos da base bons ai, tem q perder msm.....agora msm acabaram de contratar mais um velho 39 anos querem o q com iso