Novo Funorte: Mentalidade de 1ª Divisão

NA APRESENTAÇÃO DO novo técnico, FEC fala sobre orçamento, listão de reforços e reforma do campo: tudo pela Elite

COMEÇA A NOVA ERA no comando do Funorte. Hoje à tarde, na coletiva em seu Centro de Treinamento no Distrito Industrial, o clube tricolor apresentou o técnico Wagner Oliveira para comandá-lo em sua primeira experiência na Elite de Minas Gerais. A pauta foi cheia, já que a entrevista não ficou restrita aos planos para as quatro linhas. Além da possibilidade de reforços, a diretoria se pronunciou sobre o cronograma de obras para a reforma do estádio José Maria Melo, orçamento, dispensa e ambição de não apenas ficar na Elite de um ano para outro, como também dar trabalho aos clubes considerados mais tradicionais do Estado.

O DISCURSO DO NOVO treinador foi motivacional e não fugiu do que dizem as pessoas que ganham uma chance de mostrar seu trabalho em um time de 1ª Divisão. “Estou bastante confiante porque sei que a cidade de Montes Claros respira futebol, assim como toda a região que ela representa”, disse. E completou: “este cenário aumenta a nossa responsabilidade, já que são muitos anos de ausência em uma competição de tamanha importância”.

INDAGADO PELA VENETA, Wagner fez questão de descartar que chega à cidade para “começar um trabalho do zero”. Na sua avaliação, mesmo que a campanha do Funorte na Taça Minas Gerais tenha sido pífia com 3 pontos em 30 possíveis – a pior em uma competição oficial que o clube tenha feito desde sua fundação –, o trabalho não pode ser desmerecido e ele “já tem informações sobre o rendimento de cada jogador que poderia ser aproveitado no novo elenco”.

PRESENTE À COLETIVA em peso, a começar pelo presidente de honra Ruy Muniz, o comando do Funorte chegou a esboçar um orçamento para a temporada de estreia na Elite de Minas, embora tenha garantia externa de renda somente os R$ 320 mil dos direitos de transmissão do Campeonato Mineiro. Para reforçar o caixa, espera pela resposta positiva do Banco BMG, que estaria disposto a assumir a condição de patrocinador master nas costas e na frente das camisas de todos os clubes do interior em 2011.

OUTRA POSSIBILIDADE de fonte de renda estaria em empresas com sede em Montes Claros. Segundo o dirigente de honra, “algumas delas, entre indústrias e uma rede de supermercados, já receberam projetos com pedidos de patrocínio em troca da divulgação de suas marcas em placas de publicidade ou nas mangas e rodapés das camisas oficiais”. Mas a própria Soebras, rede de ensino à qual o Funorte está ligado, reconhece que, se for, preciso vai ter que ajudar a custear o “projeto Primeira Divisão”. O mínimo de gastos para a temporada do Campeonato Mineiro é de R$ 700 mil.

A CAMPANHA DO FEC na Taça Minas Gerais, encerrada no sábado com mais uma derrota (2x4 Uberaba), ainda será avaliada pelo novo técnico.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: