Ottoni: efeito poderia causar instabilidade

POR SUA VEZ, LUCAS Ottoni, titular do escritório de advocacia contratado pelo Funorte, fez um desabafo ao final da sessão que confirmou o erro do Mamoré em usar um jogador cujo vínculo não estava mais no BID. "Esta situação me preocupava muito, pois, se o recurso não fosse reformado, iria criar uma instabilidade enorme não apenas nesse caso, mas sim, em todas as demais competições nacionais e mineiras, que tem o BID como base-maior para a legalidade do atleta", confessou, reforçando, ainda, que, "é o boletim quem dá legalidade para o uso do jogador".
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

2 comentários:

Guilherme*Katu disse...

Agora queremos ver...se o dirigentes do time e da cidade irão adequar nossos estádios para que possamos assistir os jogos em Moc...ou entao teremos que sair de Moc e ir até Bocaiúva assistir aos jogos!

Anônimo disse...

Isso mesmo Guilherme. E a mesma coisa. O homem gostar de dinheiro, mulher e bicho de pé. O que adianta ter dinheiro e mulher se o bicho não fica de pé. Então vamos lutar para ver se essa Lenda de Mocao saia do papel. Parabéns Funorte. Estamos torcendo por você.