Empate "em casa" quebra sequencia de derrotas do Funorte; sobre o estádio

EMPATE

O FUNORTE segue ainda sem vencer na Taça Minas Gerais, mas já melhorou de rendimento em relação às duas últimas rodadas do primeiro turno, quando perdeu. Hoje de manhã, em Patrocínio, o time empatou com o Mamoré, em um a um, em jogo válido pela abertura do returno e que marcou a estreia do técnico Erivelto Martins no comando Tricolor. Andrade fez o gol, aos 37’ do segundo tempo, mas o Sapo havia saído na frente, com Reinaldo, aos 10’, também da etapa final. Ambos foram de pênalti.

A TRÊS DO G-4

O PONTO CONQUISTADO como mandante, mesmo fora de casa já que teve seu estádio vetado (veja mais abaixo), ainda fez com que o Funorte diminuísse a distância para o G-4, pois o quarto colocado Tricordiano foi derrotado pelo Uberlândia, por um a zero, em casa, e se manteve com seis pontos. O FEC tem três, na laterna, enquanto o Mamoré está em quinto, com 4. Villa (13), Uberaba (11) e Uberlândia (11) são os três primeiros.

PODE MUDAR

INDEPENDENTE da parceria com o Ateneu, com vistas até mesmo à mudança de nome e de uniforme, o Funorte já estudava apresentar à sua torcida, para a temporada do ano que vem, uma nova camisa. O branco deverá predominar e as listras seriam bastante estreitadas. O desenho definitivo vai depender do fornecedor de materiais esportivos. Com a atual Dittz há uma espécie de dívida de gratidão (por isso a paciência na demora do repasse de uniformes), enquanto a negociação com a Umbro, ensaiada desde o início do ano, não evoluiu. Mais recentemente, a Penalty sondou o clube tão logo ele foi confirmado como dono da segunda vaga do Campeonato Mineiro da 1ª Divisão de 2011.

CAMPO, A EXPLICAÇÃO

A ESCOLHA DO Estádio Júlio Aguiar, na distante Patrocínio, diante da interdição do José Maria Melo, não foi feita pelo Funorte. A decisão partiu da Federação Mineira de Futebol, ao anunciar o local do jogo por conta própria, sem ao menos consultar os clubes envolvidos, no caso o FEC e o Mamoré. Isso responde a crítica da coluna e dos próprios torcedores pelo fato de a Arena do Jacaré, 120 quilômetros mais próxima de Montes Claros em relação a Patrocínio, ter ficado de lado neste sentido.

RESSARCIMENTO

MAS HÁ UM capítulo a mais nessa história. Como não teve direito à escolha do campo alternativo, já que a sua casa segue vetada pelo Ministério Público por causa da ausência temporária de um laudo mais preciso do CREA e está sendo obrigado a jogar a 481 quilômetros de Montes Claros, o Funorte vai pedir à FMF reembolso das despesas de viagem: transporte, hospedagem e alimentação. Aliás, a iniciativa será de todos os clubes nesta situação, seja da Taça Minas Gerais em questão ou da Segunda Divisão estadual, outra competição oficial em andamento.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: