Comando do Cassimiro fala e não esconde 'o mal-estar'

DEPOIS DE até negociar saída de peladeiros, presidente nega que houve abordagem, mas segue ao lado do FEC

EX-PLANO A

"CASA" DO FUNORTE desde sua fundação, o Estádio José Maria Melo acabou preterido na preferência de mando de campo para o ano que vem. Embora tenha sido apresentado como plano "A" na primeira coletiva da diretoria Tricolor quando o clube teve confirmado seu acesso, no dia três de setembro, o campo do Cassimiro de Abreu deixou de ser preferência tão logo surgiu a possibilidade do acordo FEC/Ateneu. Seria a volta da rivalidade entre os dois mais tradicionais clubes da cidade?

SEM SER PROCURADO

APARENTEMENTE sim, mas não que atenenses e cassimirenses sejam protagonistas dela. Pelo menos é o que entende o presidente do Cassimiro, João Bispo, o Bonga. Hoje, ele disse à Veneta que "em momento algum, de forma oficial ou mesmo preliminar, foi procurado pelo Funorte sobre a possibilidade de reforma do estádio José Maria Melo" para atender as novas normas da Federação Mineira de Futebol para a 1ª Divisão".

SÓ COMENTÁRIOS

SOBRE O FATO
de o campo ter sido cogitado para receber os jogos da 1ª Divisão, disse que "soube apenas pelos comentários da imprensa". Por conta própria, o presidente Bonga chegou a negociar com os grupos de peladeiros que alugam o campo a cada semana para que seus jogos fossem remanejados, diante da necessidade de fechamento do estádio para reformas quase que completas.

PAPO COM PELADEIROS

"PROCUREI OUTROS
campos para remanejar esses peladeiros e a coisa já estava encaminhada, pois a gente estava sendo atendido nesse sentido, mas pelo visto não vai precisar desta mudança", completou. Atualmente, além dos treinos de suas categorias de base, o Cassimiro reserva seu gramado para cinco "peladas", sendo duas no sábado, duas no domingo e uma na quarta-feira.

CONTINUAMOS...

"É BOM DEIXAR
bem claro que o Cassimiro continua à disposição do Funorte, mas tudo passa pelo bom senso e não podemos ser reféns de ninguém. Gostaria apenas de ter uma posição final [do Funorte] para saber como o Cassimiro vai se situar nesta história, mas uma coisa é certa: com ou sem o Funorte vamos tocar os nossos trabalhos para a frente", finalizou, mas deixando claro que o clube tem seu projeto para melhorar a estrutura de trabalho do campo do bairro Todos os Santos.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: