Os 88 mil e os 88%; fôlego e a volta pela Band; rubro da sorte

PRIMEIRO ROUND

O MONTES CLAROS
– que prefere ser chamado de Bonsucesso, por causa do patrocinador-mor ao invés de Funadem, fundação que lhe deu o nome de batismo – vai encarar o Brasil Vôlei Clube no primeiro play-offs, nesta quarta-feira, às 19 horas, no Poliesportivo Tancredo Neves. Indiscutivelmente, promessa de casa cheia.

SEM DESGASTE

A MELHOR CAMPANHA
em relação ao rival – terceiro contra sexto –garantiu ao time o direito de escolher o primeiro mando de quadra e evitar o desgaste de uma viagem ao ABC Paulista – por causa do intervalo curto entre o jogo de encerramento da primeira fase, sábado. O time seria privado da folga do domingo para ter que se revezar nas esperas dos aeroportos de Montes Claros, BH e Sampa.

ARQUIBANCADA PESA

MAS, ALÉM
do menor desgaste ao permanecer em casa, outro fator decisivo para a escolha do primeiro jogo do Montes Claros na cidade tem a ver com o público. A diretoria aposta – e não é para menos – em casa cheia diante dos paulistas, como foi na maioria dos jogos da primeira fase.

88.224

É, NADA MENOS
, que o time com a maior somatória de público da competição, com 88.224 pessoas em 17 jogos em casa, segundo números oficiais da CBV (a imprensa da Capital errou ao divulgar 83 mil). A média exata é de 5.189 por partida (fora as cortesias).

"QUERO CINCO"

ANIVERSARIANTE DO
sábado passado, o central Acácio completou 32 anos e não se satisfez com os 3 a 0 sobre o Vôlei Futuro e nem com o churrasco que ele e os companheiros ganharam como prêmio à classificação, no dia seguinte. Quer o presente mais adiante. Indagado por nós, emendou: "eu quero cinco vitórias seguidas". De fato, a análise dele procede. Caso isso aconteça, o Montes Claros será campeão. A final na Superliga será em jogo único, no Ibirapuera.

VOLTA PELA BAND

A PARTIDA DE
volta será no sábado (10), em São Bernardo do Campo/SP, às 13h15, com transmissão ao vivo pela Band (a primeira em canal aberto). Caso haja necessidade do terceiro duelo, se nenhum time vencer duas vezes, a bola voltará ao ginásio do bairro Monte Carmelo, terça-feira da semana que vem. O vencedor desta chave vai enfrentar o melhor do clássico mineiro Sada/Cruzeiro (2º) x Vivo/Minas (7º).

88,23% EM CASA

A CAMPANHA
do Bonsucesso/Montes Claros teve 25 vitórias em 32 jogos, sendo 15 delas em casa (88,23% de aproveitamento), somando 57 pontos, atrás apenas do Cimed/Malwee com 60 (que a Globo insiste em chamar de Florianópolis sendo que a sua cidade não aparece nem nome oficial, nem no de fantasia) e o arquirival Sada/Cruzeiro, que registrou 59.

MAIOR PONTUADOR

O MAIS IMPRESSIONANTE
, além das mais de 5,1 mil pessoas por jogo em casa, é o desempenho do time com o maior número de pontos (2907), melhor saque (152 pontos) e o segundo melhor ataque (36,55%).

LORENA, DIOGO...

NO INDIVIDUAL
, Lorena e Diogo roubam a cena. O oposto tem 573 pontos, a maior soma de toda a Superliga. Lidera, ainda, o fundamento saque, com 68 pontos. Diogo é o nono com 396 pontos, mas em percentual de eficiência é o primeiro com 40,26%.

FÔLEGO? FALA BERRIEL

UM DOS mistérios no esporte de alto nível como é o vôlei está na preparação física. Como dar conta do recado diante de um calendário tão apertado?
MELHOR FOI IR direto na fonte e ouvi tudo do Guilherme Berriel, gaúcho da beira do Guaíba e preparador do Montes Claros, na resenha de final de jogo, no sábado. O ideal, segundo ele, seria o mínimo de 48 horas de intervalo entre os jogos em casa.
SENDO UM em casa e outro fora – ou vice-versa –, a melhor distância é um pouco maior: 72 horas.
MAS COMO a tabela foi pouco generosa nesse sentido – condenando o tripé chuva, distâncias e tabela –, o jeito foi apelar para redução da carga de treinos e a dieta.
CONSIDEROU o período mais crítico quando o time fez 10 jogos em apenas 15 dias, além de encarar aviões apertados e o recurso à paciência do nível de Jó em salas de embarque.
O QUE AJUDOU muito na recuperação foi uma receita aparentemente simples: água e gelo ao final dos jogos, suplementos alimentares e descanso, somados a uma dieta a base de carboidratos e proteína.
ONTEM MESMO, o time fez apenas academia pela manhã e bola à tarde – duas horas para cada (o normal é 4h30 apenas pela manhã). Hoje, a dose se repete e na quarta, dia do jogo, um trabalho específico de saque e recepção, de manhã. E só. Faz parte da tática do descanso.

VERMELHO DÁ SORTE

COINCIDÊNCIA
ou não, o pedido do leitor e torcedor Jean à diretoria do Funorte, semana passada, aqui pela Veneta, foi atendido pela diretoria. Em Patos de Minas, o time entrou em campo – de novo – com a camisa vermelha e repetiu a dose dos últimos dois compromissos. Goleou o Mamoré por três a zero. A roupa colorada, à la Internacional de Porto Alegre, tem sido mesmo amuleto. Com a indumentária, foram quatro vitórias e dois empates.

HISTÓRICA

ALÉM DA ROUPA
, a vitória de lá foi histórica. Foi o primeiro revés em uma partida oficial que o Sapo teve em seu novo estádio (Bernardo Rubinger), inaugurado no ano passado.

IGUAL AO DO RIBEIRO

NA INTERNET
, a imprensa de Patos postou o compacto do jogo Funorte 3x0 Mamoré (www.ntvnet.com.br). Todos os três gols foram em jogadas trabalhadas, com destaque para o segundo, de Ualisson Picachu. Lembrou, e muito, o primeiro gol marcado por Thiago Ribeiro no jogo entre Cruzeiro e Vélez, quarta passada.

VAI A TOMBOS

AINDA
sobre o final de semana do Funorte.
A TOMBENSE é o primeiro adversário confirmado para a outra fase do Módulo II, mesmo restando ainda uma rodada para o término da fase de classificação.
QUALQUER QUE seja a combinação de resultados no sábado que vem (todos os quatro jogos do dia, às 15 horas), o Formigão ficará na primeira ou na segunda posição da chave A.
E COMO MANDA o regulamento, terá o quarto colocado da outra chave (B) pelo caminho – se confirmada a liderança tricolor. O novo grupo na outra etapa da competição terá, ainda, o 2º da A e o 3º de B.
O TIME de Tombos já cumpriu todos os seus jogos e vai curtir a folga na rodada final. Assim, sendo, a quarta colocação, com dez pontos, já é fato.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

1 comentários:

Anônimo disse...

Mandei um twitter pra vc... responde la depois. Abração. Rapha