De rivalidade à guerra: tudo dos bastidores latejantes na semifinal Montes Claros e Cruzeiro

RIVAIS MESMO

POR SI SÓ
, o histórico de jogos entre agosto/2009 e março/2010 já justificaria o status de rivalidade entre Sada/Cruzeiro e Bonsucesso/Montes Claros. Foram oito duelos pelo Desafio Internacional de Montes Claros, Desafio Globominas, Campeonato Mineiro e a própria Superliga Nacional, com cinco vitórias montes-clarenses e três cruzeirenses.

ESPERA

NADA MAIS ÓBVIO
, então, do que esperar uma série de atrativos nos bastidores para o clássico mineiro a ser protagonizado por eles em uma das chaves das semifinais da Superliga. Um misto de equilíbrio e rivalidade.

CLIMA DE GUERRA

MAS NÃO SERIA
exagero algum afirmar que esta semifinal, até certo ponto previsível pela campanha que realizaram na primeira fase, ganhou clima de guerra depois dos acontecimentos registrados entre ontem e hoje.

PROPOSTA

A TABELA INICIAL
marcava a primeira partida da série para o sábado, às 11 horas, em Itabira, mas alegando possibilidade de um ginásio sem a lotação máxima, por se tratar de um horário comercial, a diretoria do Cruzeiro pediu sua antecipação para a noite de sexta-feira. Mas para isso dependia de um comum acordo com o Montes Claros.

NÃO COLA

CURIOSO
é perceber que um time que carrega a marca Cruzeiro e, consequentemente, a maioria da torcida estrelada, temer que não haja quatro mil pessoas em uma cidade de 107.721 habitantes para encher o ginásio.

CBV MANDOU

DIFERENTE DO FUTEBOL
, no vôlei, a TV não tem autonomia de exigir a data, horário e até local dos jogos. Quem manda mesmo é a CBV. Está lá no regulamento (parágrafo 3 das semifinais). E o presidente Ary Graça, que teve o bom senso quando convidou o Montes Claros acreditando na seriedade do projeto, endossou o pedido estrelado, mesmo com todos os argumentos apresentados pelos norte-mineiros.

CBV DECIDIU

A CBV
surpreendeu em sua nota oficial ao final da noite de ontem. Atendeu ao pedido do Sada/Cruzeiro e ignorou as necessidades do Montes Claros em sua preparação para a primeira semifinal. O jogo está marcado para esta sexta-feira, às 21 horas, no ginásio de Itabira.

MAIS REVOLTA

EMBORA ESTEJA
em viagem na República Dominicana, o presidente foi localizado e escutou os protestos. Resumiu-se em pedir paciência e sacrifício ao Montes Claros. Não convenceu e aumentou a revolta.

SEM RECUPERAÇÃO

DEPOIS DE UM JOGO
absolutamente desgastante contra o Brasil Vôlei, na terça-feira, que teve tie-break e um cansaço físico e mental impressionantes, a resposta montes-clarense foi lógica. Não. O argumento vai mais além do que o tenso duelo da terça-feira. O período necessário de recuperação dos jogadores passava pela folga geral na quarta-feira e a retomada dos treinos nesta quinta, com academia e treinos de quadra, ciente de que a primeira partida aconteceria no final de semana.

QUASE DESISTIU

NO PRIMEIRO MOMENTO
, a decisão da CBV revoltou a diretoria norte-mineira de tal forma que foi cogitada até mesmo a desistência de jogar as semifinais. Não ir mesmo à Itabira. Mas o momento de reflexão veio logo em seguida, reconhecendo a revolução que o time provocou no vôlei brasileiro em sua primeira campanha na Superliga, passando, principalmente, pelo quesito recordes de público: 98 mil pessoas em 18 jogos, média de 5,4 mil.

VOO FATIADO

VAI MESMO
para o sacrifício, ainda com o cansaço do jogo decisivo contra o BVC nas costas. A viagem para a terra do poeta Drummond tornou-se de uma dor de cabeça a mais. Como tudo foi antecipado em um dia, restou ao clube cancelar os treinos desta quinta. Nada de academia ou de quadra.
SEM AS RESERVAS DE voo, o Montes Claros teve de recorrer ao dono da companhia aérea Trip para conseguir embarcar a delegação rumo a BH e, depois, seguir a BR de ônibus a Itabira.
NÃO TEVE JEITO. O grupo teve que ser dividido. Uma parte viajou às oito, outra às 12 e a última vai à tarde. Depois de reunido, pega a estrada serrana rumo a Itabira.

HOTEL, TREINOS E ÔNIBUS

OS PROBLEMAS
não param por aí. Dificuldades na reserva de hotéis em Itabira e para o treino. Sem academia e quadra na quarta e quinta, o time fará apenas um trabalho leve com bola (saque e recepção), hoje, no local do jogo, para encarar o Cruzeiro.
CONFIANDO que a semifinal seria no fim de semana, o Montes Claros havia reservado 25 ônibus para levar os 800 torcedores que têm direito – cabe ao visitante o direito de 20% da carga total de ingresso.
COMO O jogo foi antecipado para a sexta e a viagem até o Vale do Aço exige pelo menos um dia, nem todos os torcedores firmaram o compromisso de pegar estrada. Até agora, apenas cinco “busus” estão fechados – com a garantia do ingresso.
PARA ATENDER pelo menos 80% da carga que tem direito, o clube inicia uma campanha maciça pela imprensa para convencer a torcida. O custo é de R$ 20,00, simbólico para o transporte. O ingresso é garantido.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

5 comentários:

Fábio Pinel disse...

Muito interessante! Só discordo quando você diz que a TV não tem influência na marcação de datas e horários. Muito pelo contrário: a CBV "dá a palavra final" na tabela atendendo aos interesses da emissora dona dos direitos de transmissão. Fato. Mas a cobertura sobre a decisão é bem legal. Parabéns!

Daniel disse...

Infelizmente no Brasil é assim..Manda quem pode obedece quem tem juízo..uma decisão nada ponderada e sensata da CBV..um desrespeito com todo cidadão Montes Clarense que acolheu tão bem os membros da CBV e seleção Brasileira quando aqui estiveram.Resta torcer e muito para que o time se supere e vença esse duelo.E parabéns a torcida fanática de Montes Claros..

Felix disse...

quando se admira um bom trabalho é preciso divulgar... grande abs

Francy Ruas disse...

Interessante demais. A CBV nunca deve ter recebido tantas reclamações como agora. Os torcedores estão indignados e a todo instante uma nova reclamação é enviada ao site da CBV.

Anônimo disse...

O Sada abriu mão da transmissão da tv e propôs o jogo para sábado a noite mas a CBV e o Sportv negaram. O jogo às 11 h foi negado por conta da iluminação do ginásio que, recebe sol pelas laterais prejudicando os atletas das 2 equipes. A verdade é que essa certeza de um time mineiro na final desagradou a CBV que previa uma final com Sesi ou Sky, prova disso é que a final foi transferida esse ano pra SP, terra desses times. Cimed e Pinheiros ESCOLHERAM um horário que nem estava disponível e, infelizmente, a gente tem que se contentar com a sobra. O ideal é que Sada e MOC não tivessem caído nessa semifinal juntos pra ter a chance de fazer uma final mineira e deixar os times estrelados chupndo dedo.