Mais um três a zero; vôlei no Velho Chico; "o grupo da morte"

MAIS UM TRÊS A ZERO

O MONTES CLAROS/FUNADEM manteve a terceira colocação geral da Superliga com a vitória da noite passada, sobre o Lupo/Náutico/Let's, no Ginásio Gigantão, em Araraquara. Três sets a zero, parciais de 25/22, 28/26 e 25/22, em uma hora e vinte minutos de jogo. Foi a penúltima rodada do turno.

PIÁ ENTRA

A NOVIDADE NO time foi Piá como titular, na vaga de Ezinho. Mas, no segundo set, o veterano ponteiro já estava de volta, mas no lugar de Diogo. Lorena com 17 e o próprio Piá com 12 foram os maiores pontuadores do dia, que teve, ainda, como destaque, o central Deivid com sete bloqueios. O time agora tem 28 pontos e vai permanecer no interior de São Paulo para mais um compromisso: sábado, às 18 horas, contra o Vôlei Futuro, em Araçatuba.

MAIOR PONTUADOR GERAL

COM OS PONTOS
da vitória em Araraquara, Lorena passou a ser o maior pontuador de toda a Superliga Nacional. São 260 pontos, sendo 207 de ataque, 37 de saques e 16 de bloqueios. Em Araraquara, voltou a acertar a mão nãos saques e fez quatro aces. Wallace Souza, seu concorrente mais próximo, fez apenas sete na mesma quinta-feira, contra o Volta redonda. Veste a camisa do Sada/Cruzeiro e anotou 254.

EFEITO TRICOLOR

O PESSOAL DA
Área, a Associação Regional dos Engenheiros e Arquitetos, ficou como dizem os mais antigos “todo prosa” depois que ganhou essa última edição do torneio dos Profissionais Liberais da AABB. Claro que em tom de brincadeira, mas não é para menos: são três títulos nos quatro últimos anos. Guilherme Guimarães e Donizete Oliveira, que ganharam o prêmio de melhores coordenadores de equipe, até concordaram: “concorrente mesmo só a do São Paulo, que fez o mesmo no Brasileiro”.

GRINGAIADA

COM UM
equatoriano, dois paraguaios e um uruguaio, a comunidade estrangeira do Atlético ganhou as manchetes e muitas dúvidas.
UMA DELAS É sobre o limite na escalação, como nos perguntou o gente boa João Edeir, lá da Unimontes.
A LEGISLAÇÃO do Brasil permite somente três gringos por partida, independente se forem titulares ou reservas.
RESUMINDO, o clube pode até ter duzentos estrangeiros em seu elenco, mas aproveita apenas três em cada jogo oficial.
SEGUNDO o site www.gringosfc.blogspot.com, o Galo está entre os cinco primeiros clubes brasileiros no ranking de registro de atletas estrangeiros.
A LISTA ALVINEGRA não está atualizada, mas somadas ao quarteto atual seriam 22 nomes, alguns notáveis como Cincunnegui, Ortiz e Mazurkiewicz, mas também há as lástimas Prieto, Kanapkis, Agustín Vianna, Fabbro e Rentería.

VÔLEI NO CHICO

O NORTE DE MINAS vai ganhar o circuito “Velho Chico” de praia, a partir de abril. As onze etapas previstas, como o nome sugere, serão nas cidades ribeirinhas a partir de Pirapora. A agenda ‘descerá’ o rio até Manga e o ranking, a partir da somatória de todos os resultados, definirá a dupla campeã, com direito a premiação em dinheiro e duas motos 0 KM. A organização é da P&B Entretenimento, do promotor Plínio “Paraíba” Brito.

GRUPO DA MORTE

NÃO SERIA exagero dizer que o Cruzeiro está no ‘grupo da morte’ na Libertadores. Há três clubes que já campeões da Copa na Chave 7 e apenas uma vaga automática. Isso porque a classificação do segundo colocado será pelo índice técnico. Serão seis vagas para oito times que ficarem na vice-liderança dos seus grupos.

BOM CURRÍCULO

SÓ DE ser da escola argentina e ter o título da Libertadores de 1994, o Vélez Sarsfield já merece cuidado, ainda mais se tratando de um dos últimos campeões do seu país (Clausura/2009) e que receberá o Cruzeiro na estreia de ambos. Agora, lidera o campeonato, com quatro pontos em dois jogos, mas ainda não fez qualquer clássico. O zagueiro Otamendi, titular do time de Maradona para a Copa da África do Sul, e o atacante uruguaio Santiago Silva, artilheiro e campeão do Apertura Argentino/2009 pelo Banfield com 14 gols, são os destaques.

RIVAL

O COLO COLO
é um dos principais adversários do Cruzeiro em confrontos continentais, ao lado do Olímpia e River Plate. E essa história cheira a rivalidade e, ao mesmo tempo, muita dificuldade, até porque, no Chile, as pessoas me diziam que a alcunha celeste por lá é “La Bestia Negra” pelo fato de ter goleado o próprio Colo Colo em plena Santiago, por 4 a 0, na década de 90. Em janeiro, os jornais chilenos estampavam como manchete o fato de a diretoria colocolina ter em caixa US$ 5 milhões para investir em reforços, mas o mais importante deles parece ter sido a manutenção de Macnelly Torres, meia colombiano de criação que a Raposa até quis trazer para Minas.

CONTRAPESO

DO EMERGENTE futebol venezuelano, mas sem tradição internacional apesar de ser o 5º de seu país no ranking da Libertadores, o Deportivo Itália será o fiel da balança. Quem dos outros três perder pontos lá ou em seus domínios terá a classificação ameaçada. O currículo não põe muito fé, apesar de ter até jogadores italianos em seu elenco, mas todos os três de dupla cidadania.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: