Venetas de sábado e domingo...

SE A FOLHA de São Paulo tem Cida Santos como sua colunista específica do vôlei, todas as terças-feiras, do lado da Globo está Bruno Voloch, que assina um blog no portal da internet. E ele também deu uma canja ao Montes Claros.
EM UM DOS posts mais recentes, fez menção à excelente campanha do Funadem a partir do trabalho de Talmo de Oliveira. Era uma entrevista. Cita pontos-chaves como o desempenho individual do ponteiro Lorena, curiosamente ex-companheiro de clube quando o treinador ainda era jogador do Palmeiras.
TÍPICO MINEIRO como é, fez questão de dividir o mérito com todos os demais jogadores e até os nominou: Rodriguinho, Acácio, Piá...
AINDA NA sessão de perguntas e respostas, Voloch não evitou a polêmica e resgatou o fato de Talmo ter sido demitido do Cruzeiro. A sinceridade foi mais além: "não gostei da maneira como foi conduzida a minha saída do clube. Todo profissional merece ser respeitado, quando chega ou quanto sai".


NA ONDA da integração futebol/vôlei, o gerente de futebol do Funorte, Jeibson Moura foi prestigiar o vôlei na quinta-feira.
APROVEITEI para perguntar sobre a aquela excursão que o time B profissional faria à Índia ainda em janeiro, por indicação da TetraBrazil.
REALMENTE ninguém aqui de Montes Claros deixou o País rumo à Ásia, mas o motivo não tem nada a ver com desistência do Formigão ou suspensão do convite.
TRÊS DOS OUTROS participantes, por motivos de força maior, não puderam cumprir a agenda indiana em janeiro. "O Torneio foi adiado para março e o Funorte vai", resumiu.


HEBERTH HALLEY assumiu a assessoria de imprensa do Funorte e uma das primeiras mudanças foi no site do clube (www.funorteesporteclube.com.br), com direito a um desenho da mascote de todo o tamanho. Algumas das matérias produzidas fazem menção à adaptação dos novos contratados, que experimentam pela primeira vez jogar em um time do Norte de Minas.


ESPERAVA MAIS do Atlético na estreia do Mineiro, até porque o time se saiu muito bem nos três amistosos preparatórios, além de ter mantido a base do ano passado e da mudança de qualidade gritante no comando técnico. O poder ofensivo ficou aquém, mas não precisa ir longe para entender que o mérito maior foi da zaga que o América preserva há um ano e que soube neutralizar Tardelli e companhia.


A FEBRE DO vôlei me fez ouvir uma cobrança sobre o fim meio que inusitado da tradicional Copa Minaspeças. Durante muito tempo, foi o principal agente revelador de talentos da modalidade, além de incentivar a prática nas escolas. Independente do nome, seria a hora de resgatar o modelo. O primeiro passo foi do MCTC.


O TIME DE vôlei de Montes Claros vai a Capital Mineira no próximo dia primeiro para receber o Troféu Telê Santana como destaque especial do esporte especializado mineiro em 2009. A promoção dos Diários Associados – sistema que inclui TV Alterosa e o jornal Estado de Minas, dentre outros – reconhece, principalmente, as conquistas do Mineiro e o Desafio Globominas.


E APROVEITANDO a oportunidade, fiz a sugestão ao diretor executivo Victor Oliveira, o Vitão, para usar a idéia do Mackenzie e fazer uma visita ao governador Aécio Neves. Em meados de 2009, o time feminino da Capital foi ao Palácio da Liberdade para uma cortesia com o chefe de governo. Levou algumas atletas e o presenteou com uma camisa oficial. O time daqui pode ir mais além, exibindo as suas taças.


A IDEIA DA VISITA foi bem aceita, mas não vai coincidir com a solenidade do troféu Telê Santana, que o clube receberá amanhã, em BH, como destaque do esporte especializado. Foi adiada. Isso porque a agenda de treinos e viagens para os dois jogos em Araraquara e Araçatuba não vai deixar nenhum jogador liberado para a cortesia no Palácio da Liberdade.


VELHO conhecido no caminho do Funorte. O Tricordiano chega para a sua estreia em casa no Módulo II, contra o Formigão, sob o comando do técnico Luiz Eduardo.
FOI ELE quem começou a campanha do time tricolor nessa mesma competição do ano passado. Caiu não apenas por causa dos resultados – como a goleada por quatro a um para o Ipatinga –, mas pela dificuldade de relacionamento com a diretoria e alguns jogadores.
APELIDADO de Galo, por causa da mascote associada aos seus dois primeiros nomes (Clube Atlético Tricordiano), o time do Sul de Minas ainda vive uma crise financeira que impede maiores investimentos em contratações.
MAS NÃO foi o xará rico quem estendeu a mão. A salvação para a montagem do pequeno Galo foi uma parceria com o América. O Coelho emprestou vários jogadores para Três Corações.


ATENÇÃO
estudantes. Apenas as carteirinhas oficiais serão aceitas na compra da meia entrada nos jogos do Funadem. Nem adianta espernear. Os menores de 18 anos podem apresentar a identidade, assim como os maiores de 60 anos, direito adquirido por lei. Para o clube, o rigor merece ser observado para se evitar os oportunistas. Critérios também para o acesso às imediações da quadra; apenas médicos, enfermeiros, jornalistas, policiais, animadores e auxiliares. A área ao fundo deixou de ser uma minitribuna e, pior, motivo para punição da CBV.


POR CAUSA do terceiro cartão amarelo recebido em Itabira – todos por reclamação –, o oposto Lorena ficou de fora do jogo contra o Vivo/Minas. Por seu jeito de ser, confessou ser difícil controlar o ímpeto no calor do jogo, ainda mais se tratando de um erro do apitador. Até aí pouca novidade. Mas o ídolo não foi o primeiro do Montes Claros a ser suspenso na Superliga. O preparador físico Guilherme Merriel tomou um gancho de quatro jogos pelo mesmo motivo. Teve que acompanhar a partida contra o Santo André, a terceira da lista, lá do alto das cabines de rádio do Poliesportivo. Repete a dose neste sábado.


CONFESSO QUE pensei que as coisas no vôlei aconteciam como no futebol: contra um adversário tecnicamente mais fraco, nada melhor do que poupar, até mesmo diante de uma maratona considerável de jogos e viagens.
MAS O MONTES Claros fez o contrário: manteve o time-base em quadra nos três sets da quinta-feira.
BASICAMENTE, sem a tradicional coletiva mas compensada pelas entrevistas livres pela quadra, essa foi a minha pergunta ao final do jogo da quinta para Talmo de Oliveira. O técnico tratou de responder de forma rápida e rasteira. "Se você tiver chance de matar o jogo, faça o quanto antes".
A CHAMADA formação ideal permaneceu em todos os sets foi por causa do maior entrosamento entre o oposto Lorena, os ponteiros Diogo e Ezinho, o levantador Rodriguinho, os centrais Acácio e Salsa, além do líbero Brendle.
ELE ACHA que haverá, ainda, muitas oportunidades dentro da primeira fase da Superliga para experiências com os reservas. "Vai ter a hora certa para testes".
E FECHOU: "o jogo se tornou fácil pelo que meu time fez e não por uma hipotética fragilidade do time adversário", analisou, ao lembrar que, mesmo sem ganhar dos outros considerados favoritos da Superliga, "o Santo André roubou a cena em alguns sets equilibrados".


NAS FÉRIAS, tive a oportunidade de conhecer a cultura chilena. Um país extremamente receptivo e afinado com o jeito de ser do brasileiro se você quiser falar de futebol. Estão confiantes com a volta da seleção, "La Roja", a um mundial depois de doze anos, mas se o assunto é favoritismo não duvidam que Kaká e companhia estão a anos-luz dos compatriotas. O Colo-Colo, prestes a cair no caminho do Cruzeiro na Libertadores, é o time mais popular do País, mas menos entre os taxistas. Depois prometo voltar ao assunto, em especial, no blog.


HÁ DOIS DIAS, comentava sobre o montes-clarense Nikão, destaque do Santos na Copa SP Júnior, com gols e passes. Certamente ganharia o prêmio de destaque do ano se o seu time não tivesse perdido a final para os são-paulinos. Mas mesmo assim ganhou visibilidade e, agora, deve ganhar nova casa com a aproximação do fim do seu contrato, logo nos primeiros dias de março. Como foi Wanderley Luxemburgo quem o levou ao Peixe, mais na função de manager como de treinador, pode ser que o novo comandante do Galo dê pitacos sobre qual será o futuro do garoto.


A PREOCUPAÇÃO DA comissão técnica do Funorte com a falta de adversários mais qualificados em seus amistosos procede. Isso porque todos os demais clubes do Módulo II estão realizando seus testes contra clubes profissionais. Alguns deles vão mais além e enfrentam em jogos-treinos aqueles que serão seus rivais na própria primeira fase da competição. URT e Formiga, por exemplo, estão no mesmo grupo (B) e jogam entre si no final de semana.

NEM BEM entregou o comando da Liga Montes-clarense de Futebol para Eliezer Moreira, no dia quatro último, o radialista Diu Andrade foi acometido pela famigerada Dengue. Além da licença forçada dos microfones e da secretaria-adjunta de Esportes e Lazer, na qual é um dos gerentes, precisou ser internado em um hospital da cidade.

É AQUELA velha história de dois pesos e duas medidas.
A FEDERAÇÃO Mineira de Futebol aceitou o pedido de desistência do Social, que estava na Chave B do Módulo II/2010.
O TIME de Fabriciano alegou ter uma dívida em torno de R$ 800 mil e, por isso, não teve como assumir novos compromissos com atletas, fornecedores e dirigentes.
MAS, ao invés de substituí-lo pelo critério técnico como fez na 1ª Divisão, colocando o América de Teófilo Otoni - terceiro do Módulo II – na vaga do Rio Branco – desistente –, mudou de ideia.
NÃO CONVIDOU o Unitri/Araguari, quarto colocado da segunda divisão, para entrar no lugar do Social.
O curioso é que o Tricordiano, adversário do Funorte, entrou como convidado para a vaga do recém-ascendido América/TO.

O FERROVIÁRIO reelegeu Getúlio Mendes para mais um mandato à frente do clube. Por se tratar de uma chapa única, o pleito no fim do ano passado foi por aclamação e ele manteve a base da última diretoria. As mudanças aconteceram apenas por causa de pedidos pessoais, descartando qualquer possibilidade de desgaste.

SOBRE a Liga. A derrota na última eleição, ao final de 2009, parece não ter tirado de Carlos Augusto Leite, o Carlão, a vontade de dirigir uma entidade local ligada ao futebol.
O SEU NOME é citado por algumas pessoas para a corrida eleitoral da Associação dos Clubes Varzianos (ACV).
A ENTIDADE, aliás, tem a sua principal competição incluída no orçamento do município específico para o futebol (R$ 90 mil), sinal de que a coisa vai sair do papel e a bola vai rolar.
A DISPUTA ainda não tem data definida, mas é certo que acontecerá em 2010 por causa do vencimento do mandato do atual presidente Charles Ronaldo. A cidade não tem um campeonato na várzea há dois anos.


A IMPRENSA estampou, na semana, fotos dos primeiros dias de reforma do Independência, jubilado estádio de BH que vai ganhar status de arena com a obra milionária.
ALÉM DAS arquibancadas demolidas, chamou-me a atenção a retirada, aleatória, do gramado.
FALAR DE TODOS seria exagero, mas tenho certeza que a maioria esmagadora dos gramados dos estádios espalhados pelo interior estão em estágios de ruins a péssimos, sob pena até de boicote por parte dos times de maior prestígio à FMF.
SABENDO DISSO, por que não, os clubes nessa situação, não bateram à porta do Coelho para pedir a doação das placas de grama, como já fizeram em outra época e necessidade, quando o Mineirão mudou seu sistema de iluminação e distribuiu refletores para tudo quando é lado?
NO CASO DE Montes Claros, por exemplo, o Estádio José Maria Melo e principalmente o Estádio João Rebello carecem de presentes dessa natureza.


A TURMA DO motociclismo já fez a sua eleição interna para a escolha dos melhores da temporada 2009. Tiveram direito ao voto os coordenadores de todas as competições oficiais. O futebol amador, por sua vez, vai seguir o mesmo caminho, com a votação exclusiva por parte dos dirigentes e técnicos dos destaques individuais e coletivos do ano passado. Cada indicado por segmento será agraciado na próxima edição do Troféu Bola Cheia/Marcelino Paz do Nascimento.


NA REUNIÃO de terça, que ainda não definiu o calendário oficial do futebol de Montes Claros que é de responsabilidade da Liga, foram anunciadas mais duas novidades: a realização do Campeonato Feminino e a inscrição de pelo menos mais sete clubes novatos no próximo Amador Masculino, incluindo um time de um supermercado.

CIDA SANTOS
, colunista semanal da Folha de São Paulo sobre o vôlei, chamou o Montes Claros de ‘caçador de bacanas’ em sua resenha dessa terça-feira.
ALÉM DISSO, seguindo as previsões de técnicos e jogadores, considera, na prática, a Superliga a competição entre clubes mais disputada de todo o mundo, derrubando os nacionais da Itália e da Rússia.
A MESMA Folha SP, na semana passada, fez uma página sobre o time, mas deixou dúvida sobre os números citados. Por exemplo, relatou que o orçamento da temporada é de R$ 1,5 milhão.
MAS, SABIDAMENTE, dos valores das cotas que os contratos permitem revelar, dois deles (Banco Bonsucesso – R$ 650 mil e Prefeitura – R$ 550 mil) já chegam bem próximo ao total divulgado pelos paulistas.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: