Funadem perde na estreia, mas não tem tempo para lamentos


Por detalhes, como analisou o técnico Talmo de Oliveira, o Montes Claros/Funadem perdeu na sua estreia da Superliga Nacional de Vôlei, quinta à noite, contra o SESI/SP. Cerca de três mil pessoas acompanharam a vitória paulista de virada no Ginásio Poliesportivo Tancredo Neves, por três sets a um, parciais de 23/25, 25/20, 25/23 e 39/37, em duas e 12 minutos.

No entanto, o tempo para lamentos praticamente não existe, pois o segundo compromisso já está marcado para este sábado, às 10h15, contra o Pinheiros/Sky, que tem nada menos do que quatro jogadores da Seleção Brasileira: Marcelinho, Rodrigão, Gustavo e a estrela Giba. Também paulista, o time venceu em sua estreia contra o Brasil Vôlei Clube por três a um e teve muito trabalho, já que dois sets terminaram com parciais de 29 a 27.

SOBRE A ESTREIA

O comentário do treinador do Montes Claros retrata bem o que foi a partida. Salvo o terceiro set, quando o SESI abriu uma vantagem de oito pontos – mas que o Montes Claros acabou alcançando o empate -, o jogo foi equilibrado do início ao fim. Ponto a ponto como se diz na gíria, mas melhor para os paulistas que tinham com a regularidade de Murilo e Anderson.

O quarto set foi o mais surpreendente, com nada menos que 46 minutos e 20 segundos de duração. Depois do empate em quatro a quatro, a maior vantagem de um time para outro ao longo do set foi de apenas 3 pontos - 19 a 16 para os paulistas. Voltou a ficar empatado somente no 23º ponto. Aí o equilibro predominou. Os montes-clarenses chegaram a ter quatro set points, mas desperdiçaram todos e o bloqueio de Murilo fechou o placar.
"Tenho certeza em afirmar que, nem como jogador, nem como técnico, fiz parte de um jogo com um set tão longo", lembrou o técnico Giovanni Gávio, do time vencedor.


Técnico Giovani ao lado de Piá: "disputei aqui meu set mais longo"
Foto: De Veneta


Do lado dos anfitriões, Lorena e Ezinho mantiveram o mesmo ritmo, mas o restante do time alternou bons e maus momentos, talvez pela inevitável ansiedade e o nervosismo de um primeiro jogo em casa. Piá, a partir do terceiro set, permaneceu em quadra e também mostrou regularidade.

Destaque, Anderson pede desculpa e elogia torcida

O resultado propriamente dito não foi bom, já que os donos da casa foram derrotados por três sets a um, e o que é pior: de virada. Mas o equilíbrio dentro da quadra mostrou que o Montes Claros/Funadem tem um time que vai dar trabalho aos favoritos ao título da Superliga, como é o caso do próprio SESI/SP, campeão em seu estado que foi seu adversário na noite de ontem.

Os jogadores e o comando técnico dos paulistas foram embora de Montes Claros mandando um recado aos demais clubes que têm o Norte de Minas em suas agendas pelos próximos cinco meses da primeira fase da Superliga. "É difícil jogar aqui. Além do time ser forte, a torcida pressiona a todo o tempo", disse o ponteiro mineiro Anderson.
A avaliação sobre o público tem sentido.

Ele foi provocado durante todo o jogo e chegou a sair do sério. Numa discussão por causa da decisão do árbitro, fez um gesto obsceno para o adversário Deivid. Reconheceu o erro, até porque levou um cartão amarelo e pediu desculpas. "Isso acontece; todo mundo quer ganhar e o calor do jogo faz isso".

Sobre o jogo, acredita que o Sesi tenha superado um adversário forte, que tem como principal característica o volume constante. Para o técnico Giovane Gávio, o jogo foi tão equilibrado que precisou ser decidido em detalhes individuais. "O Murilo e o Anderson foram regulares todo o tempo. Foi assim que ganhamos", resumiu.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: