Sonho de apenas um dia

Diretoria do Rio Branco considera proposta muito atraente, fala de ética e descarta parceria com o Funorte e mudança para Montes Claros

O Funorte bem que tentou, mas para jogar a Primeira Divisão do futebol mineiro vai ter mesmo que conseguir a vaga dentro de campo já no Módulo II do ano que vem. Foi negativa a reposta à sua proposta de parceria feita ao Rio Branco para que o clube de Andradas reveja seu pedido de licença na Federação Mineira de Futebol, volte à condição de competidor da elite estadual e transfira sua sede para Montes Claros pelos próximos três anos agregando ao seu nome o do Formigão. A notícia foi divulgada com exclusividade pela Veneta nessa quinta-feira.

Na tarde de hoje, a direção do time de Andradas publicou em seu portal eletrônico, às 17h37, um comunicado reiterando os atrativos da proposta feita pelo clube de Montes Claros, mas considerou que "os valores axiológicos falam mais alto" em um momento como esse. "Com os sinceros agradecimentos (...) pelo interesse demonstrado, a implicar expresso reconhecimento da tradição, da importância e do relevo do Rio Branco na cena futebolística, a resposta (...) será negativa", assinou o presidente Cláudio Messias Turatti na nota intitulada "Resposta a Montes Claros".

O QUE SERIA

A sugestão do Funorte era trazer para o Norte de Minas somente a vaga na Elite e o nome do Rio Branco. Todo o elenco e as despesas seriam assumidas pelo Tricolor, com jogos no Estádio José Maria Melo contra Atlético, América, Cruzeiro e outros elitistas do Estado. O clube chegou até a abrir mão da cota de TV – R$ 600 mil/ano –, permitindo que o Rio Branco ficasse com o dinheiro para ajudar no seu projeto de construção do estádio próprio.
Havia otimismo pelo lado do Formigão para o sucesso no acordo, não apenas pelo fato de o presidente Cláudio Messias Turatti – do Rio Branco – ter acenado a favor, mas pela legalidade na ação, que permite que um clube mude de sede a partir do estatuto. Mas a decisão dependeria do restante da diretoria e do conselho deliberativo do time de Andradas.

O comando do Rio Branco alega que o compromisso ético com a comunidade de sua cidade deve ser mantido, mesmo reconhecendo que "a parceria proposta pelos monte-clarenses é excelente. Do ponto de vista financeiro, pode até parecer irracional o Rio Branco recusá-la (...) Três anos de cotas de TV significaria um bom dinheiro. Mas dinheiro não é tudo", acrescentou o mandatário em sua nota.

ABRE MÃO

Mesmo na Elite de Minas Gerais e com vaga na Copa do Brasil 2010 como campeão do interior neste ano, o Rio Branco vai levar adiante o pedido de afastamento por período indeterminado após os desentendimentos em Andradas. Sua diretoria quer assumir o estádio Parque do Azulão em definitivo em troca de um terreno de 250 mil metros quadrados. O campo pertence à Prefeitura, que concordou com a cessão, mas há correntes contrárias na Câmara Municipal, responsável pela aprovação ou não do projeto de troca.

Sem paciência para esperar a boa vontade dos vereadores de Andradas, o clube preferiu devolver a administração do Parque do Azulão – que funcionava em regime de comodato –, pedir licença na FMF e investir o dinheiro que aplicaria no futebol profissional na construção de um estádio próprio no seu terreno. A mesma iniciativa foi feita pelo Mamoré, que esteve três anos longe das competições oficiais até ter poder contar com o seu campo próprio em 2009. Na Segunda Divisão, o time de Patos de Minas é líder.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

1 comentários:

Anônimo disse...

Geraldo Martins Campos disse:
6 de novembro de 2009 às 4:56
O unico problema nesse mar de lamas, o Claudio Turati é sem sombra de dúvidas nenhuma um dos homens mais sérios do futebol brasileiro e jamais se misturaria com um Ruy Muniz da VIDA,nem com Zezes da VIDA.
O Rio Branco ja desistiu uma vez da 1ª Divsão do Mineiro e retornou na 2ª,portanto essa não seria a 1ª vez.
Pelo que sei Claudio Turati é homem dos mais honrados e sérios desse meio,talvez seja um dos advogados mais conceituados do Brasil,é advogado da ICASA a mais de 30 anos,é advogado do Milton Neves e do BRADESCO.
O ciume da Caldense existe a VETERANA tem hoje uma das maiores arrecadações mensais de Clubes no Brasil.A Caldense tem hoje 2.950 socios que pagam 150,00 mensais, vezes 2.950 veja ai….. e uma fila de mais 1.100 para aderirem como socios no Clube Social.Laercio Martins,assim como Turati são sérios e esses CLUBES precisam se manter no Mineiro da 1ª.
Turati é meio DOIDO.Existe um regulamento no Rio Branco que :sócios que brigarem dentro da ESTRUTURA do CLUBE será punido com suspensão de 60 dias.Não é que ele discutiu nas dependências do Rio Branco e resumindo:ele mesmo puniu ele,se suspendendo por 60 dias,devido a uma discusão com um outro sócio.
O Rio Branco deve ter em caixa mais de 1.500.000,00 de reais,ja pagou 6 parcelas de 60.000,00 absolutamente em dia referente ao imovel que daria em permuta pra Prefeitura.Ele nunca descontou um unico titulo da TV Globo,por isso compra esse tipo de briga.