Para manter a hegemonia


Com a conquista do Mineiro, time reforça currículo e deixa de ser sombra para "se tornar concorrente direto à Superliga", diz presidente da CBV

São apenas quatro meses de existência, mas com um currículo de veterano, principalmente quando se observa que gigantes do vôlei brasileiro ficaram pelo caminho e foram derrotados em finais memoráveis. Assim é a realidade do Montes Claros/Funadem, que no feriado dessa segunda-feira, sacramentou sua condição de nova força do vôlei nacional ao vencer em plena Arena JK, o Vivo/Minas por três sets a dois, de virada, e conquistar o Campeonato Mineiro. Na semifinal, já havia vencido o Sada/Cruzeiro pelo mesmo placar.

Depois da festa ainda na Capital Mineira, dentro e fora de quadra, e dez horas de viagem de ônibus, a terça-feira também foi reservada para comemorar o feito, mas já em casa, em uma coletiva na Prefeitura, à tarde. Como os jogadores e a comissão técnica ganharam folga de uma semana, alguns pegaram o rumo de suas cidades em Minas e em outros estados e, por isso, somente parte do grupo esteve na exibição da taça. Mas nem por isso a festa foi menos intensa. Discursos animados e a promessa de brigas do mesmo nível na disputa da Superliga, a partir do dia 28 de novembro.

"Todos perceberam que tivemos muito trabalho para chegar até aqui. Na final, enfrentamos um time com a defesa muito forte, o que exigiu todas as variações possíveis que o nosso time tinha para reverter o placar", resumiu o levantador Rodriguinho. O central Deivid fez coro ao companheiro e lembrou que os rivais Cruzeiro e Minas eram apontados como favorito pela imprensa da Capital e isso mexeu com o brio dos jogadores do Montes Claros. "O algo mais que o time mostrou em quadra veio daí. Isso não deixa de ser uma provocação e pudemos responder com o título", acrescentou.

Apesar de jovem, o também central Thiago Salsa fez um resgate da carreira, lembrando que a própria vida familiar ensinou o que venha ser persistência. "Precisei da ajuda dos meus pais para me tornar um atleta. A maioria dos jogadores veio de uma família humilde e não foi fácil chegar até aqui. Então, estamos acostumados com diversidades e superações", frisou.

COSTUMES

O grupo foi recebido pelo prefeito Luiz Tadeu Leite, que estava na final da Arena JK. Na oportunidade, lembrou que o time fez jus à história do montes-clarense, acostumado a superar adversidades. "A conquista do Mineiro é uma realização não apenas para a nossa cidade, mas para a região. Posso afirmar que representamos todo o Norte de Minas", disse.

Por sua vez, o presidente da Funadem, Felipe Oliveira, lembrou que a cidade brigou para receber a sede da fase final, mas por força do regulamento, o Minas garantiu o mando de quadra diante da melhor campanha na classificatória. Ainda segundo o dirigente, mesmo com a distância, a relação entre torcida e time foi monitorada a todo o momento com a transmissão pela TV ou mesmo por telefonemas.

COLEÇÃO – A nova taça fez cair por terra todas as desconfianças sobre o time, um dos novatos da Superliga. Há quase um mês, já havia conquistado o Desafio Globominas, contra o próprio Vivo/Minas, Sada/Cruzeiro e Cimed/Florianópolis, nada menos do que os três melhores times da última edição do Nacional. Ainda em agosto, venceu o Circuito Internacional em Montes Claros e, em setembro, trouxe para o Brasil o vice-campeonato da Copa Banco Província, de Buenos Aires. "De promessa, passamos a ser realidade", adiantou Felipe.

Projeto "Sócio-torcedor" terá 4 opções de carnê

Até a semana que vem, a diretoria do Funadem/Montes Claros espera cumprir duas promessas anunciadas na coletiva. A primeira delas é o lançamento do projeto "Sócio Torcedor" com a apresentação de quatro planos específicos para a venda de carnês de ingressos durante a primeira fase da Superliga Nacional de Vôlei. Com a inclusão do time do Cuiabá Vôlei Clube, a competição terá 16 participantes. O time montes-clarense fará 15 jogos em casa ao longo dos quatro circuitos.

A pessoa interessada poderá optar por um plano mais simples, restrito apenas aos bilhetes de entrada, ou a um mais sofisticado, com até camarote vip e camisas oficiais. Esse projeto, segundo o diretor Tadeuzinho Martins, é uma forma de fidelizar ainda o torcedor com o time. "Já percebemos o interesse do público pela equipe, ainda mais com a conquista de dois títulos importantes como o Campeonato Mineiro e o Desafio Globominas", explicou, lembrando que "o sócio-torcedor projeto oferecerá quatro opções para praticamente todo perfil: estudante, profissional liberal e crianças, por exemplo".

Título vai valorizar contratos

Clube espera aumentar receita com novos patrocinadores e definir a camisa oficial para atender torcida



A outra promessa é levar para as vitrines das lojas as camisas do Funadem/Montes Claros. O vermelho e o branco, utilizados desde sua criação até agora, são uniformes provisórios. Os oficiais devem ser apresentados até o início da primeira quinzena deste mês, há dez dias na estreia na Superliga Nacional. Assim como já faz com o Vivo/Minas, a Finta será o fornecedor dos materiais esportivos do time montes-clarense.

"Para a camisa oficial ficar pronta, ainda vamos precisar acertar detalhes com alguns patrocinadores. Com a conquista do Mineiro, estamos estudando novas propostas, mas a escolha deve ser criteriosa como forma de valorizar o nosso trabalho e atender as necessidades do clube", completou o diretor financeiro Victor Oliveira, ao lembrar que todas as logomarcas dos parceiros/cotistas serão estampadas na camisa.

Ele ainda explicou ao JN que, no momento, são três cotas de patrocínio definidas: Banco Bonsucesso, Supermercados BH e Prefeitura de Montes Claros. Há mais cotas em negociação, mas os valores estão sendo mantidos em sigilo. O presidente Felipe Oliveira adiantou à reportagem que a pedida do clube é maior em relação há uma semana, diante da conquista do Mineiro.

"Não há como negar que somos o melhor time de Minas e isso deve ser reconhecido de todas as formas", finalizou, ao reproduzir a ligação que recebeu pela manhã do presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), Ary Graça Filho. "Ele apostou no projeto do time ao nos oferecer o convite para a Superliga e, agora, com mais esse título, aposta que o Montes Claros estará nas finais da maior edição da Superliga, que neste ano terá nada menos do que dezesseis times".
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: