Montes Claros/Funadem apresenta Talmo, Esquilão e parceria com a Coteminas

Acompanhado pela diretoria, preparador físico, auxiliar técnico e dos jogadores Rodriguinho e Piá, Talmo de Oliveira foi apresentado oficialmente como o novo técnico do Montes Claros/Funadem para a disputa da Superliga Nacional de Vôlei, no próximo dia 3. A coletiva aconteceu na tarde dessa segunda-feira, no auditório do Iseib, instituto de educação superior que faz parte da fundação administradora do clube.

Talmo chega a MOC substituindo a Marcelo Méndez, que coincidentemente, comandou seu primeiro treino no Sada/Cruzeiro, seu ex-clube, também nessa segunda-feira. Foi apresentado e depois seguiu para quadra. A contratação do argentino pelo time da Capital confirmou os boatos sobre sua saída do Funadem. Uma proposta financeira irrecusável teria sido a causa.

Além do comandante, os diretores trataram de anunciar o acerto com a Coteminas como patrocinadora master e, ainda, apresentaram a mascote "Esquilão". O prefeito Luiz Tadeu Leite esteve presente.

Grande responsabilidade

Aos 40 anos, sendo quatro como treinador – os dois últimos no Sada/Cruzeiro, de onde saiu há três semanas –, Talmo se diz motivado com a experiência de trabalhar em mais um clube mineiro, mas reconheceu que sua responsabilidade será ainda maior, já que está chegando em um time vencedor [campeão mineiro e do desafio Globominas].

"Não tenha dúvida de que o nosso trabalho será difícil, porque chegamos a um time campeão; um grupo vencedor. Mas, por outro lado, posso dizer que o time está pronto para o grande desafio que é a Superliga", disse.

Afilhado de casamento


Do grupo do Montes Claros/Funadem, Talmo trabalhou apenas com o Acácio, Rodriguinho e Piá, do qual é padrinho de casamento. "Fico feliz por se tratar de uma pessoa que sempre demonstrou segurança e calma, principalmente para reverter situações contrárias", disse o levantador e capitão Rodriguinho.

O treinador até ironizou o destino, ao lembrar que sob o seu comando, o Sada/Cruzeiro perdeu a semifinal do Mineiro para o Montes Claros. "Se não fosse por aquilo que aconteceu, hoje não estaria aqui", lembrou. Indagado pela VENETA sobre o perfil do seu novo clube, Talmo o considerou como "um dos elencos mais fortes da Superliga".


Nessa conversa, foi lembrado pela VENETA que seu antigo time enfrentou o Funadem em seis oportunidades; foi derrotado em quatro. Ao ser perguntado sobre os pontos fortes do Funadem considerou todos. "É um time muito forte em todos os fundamentos e o que é mais importante: entrosado", resumiu, ao destacar as qualidades em sua nova casa.

O auxiliar técnico Carlos Alberto de Oliveira (Chiquita) e o preparador físico Guilherme Berriel estão trabalhando com Talmo pela primeira vez, mas já se encontraram em diversas oportunidades em outras edições da Superliga; como rivais, claro. "Estava trabalhando na Ulbra quando o Talmo foi jogador da UCS, lá no Rio Grande do Sul", disse Guilherme.

Fora de quadra

O início da coletiva foi marcado pelo anúncio do prefeito Luiz Tadeu Leite de que a Coteminas, empresa do setor têxtil, está entrando no pool de patrocinadores do Montes Claros/Funadem, do qual já fazem parte a própria Prefeitura, a Unimed (Montes Claros), Supermercados BH, CVC Turismo, Finta Materiais Esportivos, Palimontes e, provavelmente, o Café Fino Grão.

Com sede no município e em cidades do Nordeste Brasileiro, a Companhia de Tecidos do Norte de Minas (Coteminas) pertence à família do vice-presidente da República, José Alencar, e possui três unidades em Montes Claros (Coteminas, Cotenor e Cebratex).

No entanto, o valor do contrato não foi revelado. Há uma "cláusula confidencial" que veta qualquer tipo de divulgação sobre a cota, mas sabe-se que será a maior parcela da receita com patrocinadores. O diretor executivo Victor Oliveira, disse à VENETA que a Coteminas, por sua vez, não vai emprestar o nome ao time, que continuará sendo chamado de Montes Claros/Funadem por toda a temporada.

Esquilão


Uma enquete com a população definiu a mascote do Montes Claros/Funadem, apresentada pela primeira vez durante a coletiva. Na 'briga" entre os bichos, venceu o Esquilo, já apelidado no aumentativo como acontece com a maioria dos símbolos dos clubes mineiros. Segundo Victor Oliveira, foram apresentadas sete opções à torcida, ainda no jogo entre o time e o Vivo/Minas, na reabertura do Poliesportivo. A cada cem pessoas, cinco foram entrevistadas. Entre o macaco e tamanduá e outros bichos, venceu o esquilo numa disputa voto a voto. A escolha agradou, por ser um animal ágil, dócil e esperto. (fotos: CLÉSIO ROBERT)
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

1 comentários:

Anônimo disse...

Por que um "esquilo"???? Já que nem existem esquilos no Brasil!!!! ehehehehe