Montes Claros na Superliga - Marcelo Méndez, o técnico: "Trabalhar no Brasil deixa meu currículo completo"

Depois de acertar a situação burocrática, já que precisará de visto de trabalho para o País, o técnico Marcelo Méndez, argentino da capital Buenos Aires, chegou a Montes Claros e já foi apresentado aos jogadores que comandará na disputa da Superliga Nacional de Vôlei. Mesclando o espanhol, italiano e o português - ainda tímido -, ele falou com a Veneta nessa quarta-feira e, dentre outros pontos, mencionou o porquê da escolha pelo trabalho no Brasil pela primeira vez, depois de várias temporadas na Europa, onde foi técnico da Seleção da Espanha. Resumiu seu estilo como "persistente".

DV – Por que a escolha pelo vôlei brasileiro e, principalmente, pelo time de Montes Claros?
MARCELO
– "Depois de muitos anos na Europa, estava disposto a voltar para a América do Sul; ficar mais próximo de minha família. Aí, enquanto decidia isso, veio o convite para este projeto em Montes Claros. Já havia trabalhado na Itália, Espanha e Argentina, alguns dos principais centros do vôlei mundial; faltava o Brasil para completar meu currículo".



DV – É mais fácil – ou menos difícil – pegar um time montado ou começar do zero, como é este projeto?
MARCELO
– "Olha, confesso que é mais interessante começar do zero. Assim, tudo tem o seu próprio dedo, seu estilo de trabalho em todas as ações".

DV – E qual o seu estilo?
MARCELO
– "Sou persistente. Gosto de um elenco disciplinado, mas sou enérgico quando precisa; na dose certa para o bom andamento do time".

DV – Antes de ser técnico certamente você foi atleta...
MARCELO
– "Não fiz nada demais (risos)... Diria que passei desapercebido. Era um central de qualidade duvidosa (risos), tanto que encerrei a carreira aos 28 anos depois de passar pelo River Plate, em meu país, e por equipes da Série B do vôlei da Itália".

DV – Já trabalhou com algum dos contratados pelo Funadem/Montes Claros?
MARCELO
– "Não. Este será o primeiro trabalho com todos eles. Do Brasil, estive com o Rodrigão e com o Bob em times do exterior".

DV – Você chega a Minas Gerais na condição de ex-técnico da Seleção Espanhola por várias temporadas...
MARCELO
– "Foi uma experiência fantástica, na qual pude trabalhar com vários dos melhores jogadores do mundo, contra e a favor. Na Europa, há pelo menos cinco grandes seleções e o equilíbrio é permanente. Fui vice-campeão do pré-olímpico continental e o quinto colocado no pré-olímpico mundial. Por muito pouco ficamos de fora dos Jogos de Pequim". (Fotos: Veneta e Fábio Marçal)

Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: