Arbitragem feminina; diamante, piscina, sem as redes e a Segundona

Vez dos mais novos

Alvo maior da bronca dos torcedores, independente do campeonato e da divisão, os árbitros mais experientes estão perdendo espaço para os novatos, não apenas pelos erros. Os mais novos apelam aos estudos para se tornarem mais eficientes e tentarem concorrer com a tecnologia das câmeras e os palpites dos comentaristas de estúdio. Missão de Hércules.

Olho clínico

Além dos cursos específicos, os aspirantes investem no ensino superior, preparação física especial e no dever de casa, como o estudo de vídeos justamente sobre erros dos colegas de profissão. Aliás, diante das boas cotas, o apito e as bandeirinhas têm atraído cada vez mais a atenção de que até então era apenas profissional liberal, técnico de laboratório ou até mesmo taxista.

Do táxi ao apito

No caso específico do futebol de Minas, com exceção de Alício Pena Júnior, os demais integrantes do quadro oficial da FMF que têm projeção nacional, estão, no máximo, com seus 30 e poucos anos, caso do taxista Renato Cardoso Conceição (37) e do oficial de justiça Ricardo Marques Ribeiro (30), esse que já está no quadro da Fifa e atuou na última final da Copa do Brasil. Ambos vieram a Montes Claros para jogos do Funorte no Módulo II deste ano.



Coisa de mulher


Mas vale ressaltar também a presença feminina no campo; cada vez mais intensa. Por exemplo, a auxiliar Vilsa Barbosa Soares, de 32 anos, veio a Montes Claros para o jogo Funorte 1x3 Araxá. Era justamente no dia 8 de março, Dia Internacional das Mulheres. Atuação impecável, mesmo ao lado da torcida. Solícita na entrevista à época, me disse que hoje trabalha por conta própria na Grande BH, pois teve que deixar um emprego de carteira assinada por causa da resistência do chefe para liberá-la nos dias de jogos. Tem um salão de beleza que divide as atenções com a bandeirinha. (Foto: Rubem Ribeiro)

Inevitável pergunta; resposta na mosca

Na resposta da inevitável pergunta do chefe: “O emprego ou o apito?”, ficou com a segunda opção. Não esconde que a afinidade com o esporte falou mais alto. Pensa, sim, em seguir carreira e quem sabe chegar ao quadro da CBF. Por enquanto, vai atuando como auxiliar em jogos profissionais, mas pensa em ser árbitra central, como fez no início da carreira.

Tudo a partir do voluntariado

A história de Vilsa com o apito é meio casual. Voluntária de um projeto social na Região Metropolitana de BH, estava justamente na quadra, coordenando o bate-bola da criançada. Um dia, o apito veio-lhe a mão. Mandou ver; tomou gosto e hoje, nem mesmo a estabilidade de uma carteira assinada, muda sua vontade a respeito do esporte.

Mais forte

Não há dúvidas de que a chave no Funorte é a mais forte da segunda fase do Mineiro Júnior. Dos clubes, três estiveram entre os seis melhores da competição do ano passado - Cruzeiro, Tupi e o próprio FEC -, enquanto outros dois gozam de tradição por terem sido campeões mineiros nos anos 90: Villa Nova e Valério Doce. Por sua vez, o Lavras, sexto integrante do grupo, que é apenas estreante, merece respeito ainda no papel: teve a melhor campanha da primeira fase. Sete vitórias em dez jogos, com 32 gols a favor e apenas sete contra.

Chance de vitrine

Com previsão de reunir tudo o que é produzido na cidade em seus mais de 200 estandes, a Feira Nacional da Indústria, Comércio e Serviços (Fenics) seria uma maneira ímpar de o Funorte convencer o empresariado a investir em seu projeto profissional. Mas precisaria estabelecer o seu próprio espaço por lá, ao invés de pegar carona na faculdade que lhe empresta o nome. Ainda há tempo.

Sem improviso

Para encerrar o assunto Funorte Esporte Clube. A contratação do experiente Chiquinho, que passou pelo Inter/RS e Fortaleza, deve por fim aos problemas da lateral esquerda, principalmente no que se refere às improvisações.

Diamante bruto

Diamante bruto. Os entendidos do ciclismo, em especial do Mountain Bike, deram esse apelido ao montes-clarense Brunno Sampaio, que está prestes a conquistar o título da categoria sub-15 da Copa Internacional Sundown. Aos 14 anos, comedor de macarrão convicto por causa da dieta dos carboidratos e cruzeirense nas horas vagas, ele precisa de um quarto lugar para sacramentar o título da temporada de maior expressão do País.


A eternidade dos 4 minutos

São nada menos do que 40 competidores inscritos em sua categoria, de todas as partes do País. Os bons críticos dizem acreditar que essa será a primeira de uma série de conquistas de projeção diante do rendimento nas etapas de Araxá e São Lourenço, consideradas de alto rendimento. Nas vitórias, a vantagem em relação ao segundo colocado é de 4 minutos, em média. Uma eternidade se tratando do ciclismo. (foto: Divulgação)

NAIRLAN CLAYTON BARBOSA remodelou seu programa semanal de esporte na Rádio Expressão FM. O antigo Placar Eletrônico – Na Trave passa a ser chamar Opinião Esportiva, que vai ao ar aos sábados, às 11 horas.
COMO É GRAVADO, a pergunta dos ouvintes deve ser enviada durante a semana, pelo e-mail
opiniaoesportiva@hotmail.com
O IMPASSE ENTRE DIRIGENTES forçou, mais uma vez, a suspensão do campeonato varziano de Montes Claros. Até houve entendimento para a realização de novas eleições antes do fim do mandado do atual presidente da associação de clubes, Charles Ronaldo.
DENTRE OS VÁRIOS PONTOS polêmicos, um deles foi a falta de consenso na composição das chapas, voltando a história à estaca zero. Já são dois anos de paralisações.
O SANTOS REIS escreve uma página própria no futebol de Montes Claros. Além de realizar o campeonato mais regular e tradicional dos bairros da cidade, é o que reúne o maior número de clubes no Amador: Nacional, Colorado, Vasco, Cruzeiro e San Diego Júnior.
O TIME DE VÔLEI DO Funadem/Montes Claros recebeu uma visita indesejada nesta semana. “Amigos do alheio” invadiram o ginásio da AABB, pelos fundos do clube, e levaram bolas e redes oficiais que o clube adquiriu para o treinamento dos atletas.
MAS HÁ NOTÍCIA BOA TAMBÉM, como a possível parceria com o Banco Bonsucesso, o mesmo que exibe suas marcas na camisa do Cruzeiro, como mais um dos rol dos patrocinadores oficiais.



Tá explicado

Coordenador do projeto de Natação Social do MCTC (e atleticano), o professor Ênio Pacífico explicou melhor o comentário do presidente da CBDA, Coaracy Nunes, durante a solenidade de lançamento do projeto, dia três, e repetido pela Veneta. Na foto de Fábio Marçal, os dois estão ladeando o ministro Hélio Costa durante a assinatura do convênio município/Correios.
A cobrança de Nunes seria por uma nova piscina 22,5 x 12,5 metros, mas não pela reforma da atual. O homem forte da Confederação quer que a prefeitura construa mais um espaço semi-olímpico, de forma que o projeto apadrinhado pelos Correios seja ampliado de 500 para mil crianças em Montes Claros.

Segundona

A coordenação do JIMI optou em criar uma segunda divisão neste ano, na fase final de Uberlândia. Ela será formada pelas cidades que conquistaram a segunda colocação nas modalidades coletivas em cada uma das regionais. Montes Claros, por exemplo, pelo vice-campeonato na Chave Norte, Centro e Vale do Jequitinhonha, vai disputar a Segundona do futsal Masculino, que será realizada uma semana antes dos jogos oficiais. Se for a campeã, garante vaga na chave da primeira divisão, que terá os campeões de cada região.
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

0 comentários: