Taça e Copa com América e Fluminense; 1916, berço do futebol de MOC; Dadá da Coca e Made in Formiga

Taça MG: Villa ou Valério na estreia
Agora há pouco, a Federação Mineira de Futebol divulgou o regulamento da Taça Minas Gerais, que terá mesmo dez times. A disputa começa no dia 23 de agosto, com o Funorte estreando propositalmente longe de Montes Claros, contra Valério ou Villa Nova. Quer encerrar a sua participação como mandante - quem começa fora no turno, termina em casa no returno. O América de Givanildo Oliveira e Euller também estará no caminho do FEC

América também no caminho
A primeira fase terá dois grupos de cinco, regionalizados. Os times jogam entre si em dois turnos e os dois primeiros colocados classificam-se para as semifinais, em sistema de ida e volta (mata-mata). Chave A – Funorte, América (BH), Villa Nova, Valério e Tupi; Chave B – Uberlândia, Uberaba, Ituiutaba, Poços de Caldas e Itaúna.

Formigão ao vivo na TV?
No entanto, a maior das novidades não foi a mudança do regulamento em relação ao ano passado, que teve apenas um grupo na primeira fase. O presidente da FMF, Paulo Schettino, deixou no ar a possibilidade de a Rede TV! transmitir a Taça Minas Gerais. Pediu que os clubes não façam dívidas contando com a grana da televisão. Sugeriu cautela e canja de galinha.

Funorte no “Brasileiro”
Adiantamos na De Veneta eletrônica, que o Funorte participará da 13ª Copa Macaé, exclusiva aos times juvenis (ou sub-17 como exige a Fifa), a partir do mês que vem. Tamanha a repercussão que a competição da cidade praiana, capital do interior do Rio de Janeiro tem, ganhou o status de “campeonato nacional da categoria”.

Até Golfe
Macaé é uma cidade rica, afinal integra a bacia petrolífera de Campos, mas curiosamente não tem um time de futebol à altura. Mas o ‘ouro negro” incrementa o esporte sim, não apenas pela realização da Copa Macaé e seu status de Campeonato Brasileiro Sub-17, mas pelas invencionices dos bacanas, como o Torneio Nacional de Golfe.

Fluzão no caminho

O histórico dos títulos desde 1997 mostra o porquê dessa alcunha de “Brasileirãozinho”. Botafogo, Vasco, Flamengo e Cruzeiro são alguns dos clubes na galeria de campeões. O Fluminense também. Aliás, o Tricolor das Laranjeiras, que tem uma das melhores categorias de base do País, será um dos adversários do FEC na primeira fase.

Borges em Cabo Frio
A participação do time só vem sendo possível com a parceria com a Tetra Brazil. O Funorte vai jogar na sede de Cabo Frio – a 77 quilômetros de Macaé –, que, além do Fluminense, terá um grande de São Paulo (o Santos é o mais cotado) e o Paysandu de Belém do Pará. O técnico será o Borges, ex-zagueiro de times profissionais e amadores da cidade e que fez parte da diretoria profissional na disputa do Módulo II.

Na preparação

Borges é o mesmo técnico do time que o FEC montou para o Campeonato Júnior de Montes Claros, que permite não apenas colocar todos os jogadores dessa faixa etária em ritmo de competição, como também olhar os destaques de outros clubes da cidade. Na primeira fase, foi o primeiro colocado da Chave B, com 100% de aproveitamento. Quatro vitórias, 11 gols a favor e nenhum contra.

Dois times; uma categoria
Vale lembrar que o Funorte tem dois times juniores. O primeiro, que tem o Borges no comando, conta com uma base mais nova, justamente para absorver a demanda que a projeção do clube conquistou. O outro, é treinado por Erivelto Martins, ex-meia do Cruzeiro e técnico dos times de base do Atlético e América. O projeto dele é específico para a segunda fase do Campeonato Mineiro Júnior, cujo conselho arbitral aconteceria nesta quarta-feira, à tarde, na FMF. Foi adiado por causa do Araxá, que classificou-se da primeira fase, mas ainda não quitou débitos referentes ao Módulo II do seu time profissional. A FMF mudou a data para seis de julho, como forma de dar prazo ao time da terra da Dona Beija.




Dadá da Coca
NÃO APENAS PELA carreira que teve, mas principalmente pela lição de vida de um ex-menino de rua que se transformou em artilheiro – que fez questão de narrar e cantarolar –, Dadá Maravilha foi realmente uma vedete na entrega do Troféu Bola Cheia/Unimontes, dia 27 de abril, no Automóvel Clube. Mas muitos estranharam sua pressa em ir embora, não somente do recinto, mas da cidade, ainda na noite daquele dia.
FOI PESSOALMENTE ao guichê na Rodoviária, trocar a passagem, antecipando sua volta à Capital. Teimava em dizer que o compromisso lá, logo na manhã da terça-feira, seria inadiável e deixou de lado até o petisco da carne de sol, cortesia do Jac’s.
POIS É... Dias depois, veio à tona o que o Dadá estava aprontando... Aderiu à campanha nacional que a Coca-Cola tem para o futebol. Ao lado do já garoto-propaganda Biro-Biro (que pelo menos uma vez na vida ganhou do Maradona), e de Bebeto - eterno Robin sem Batman -, aparece diariamente nos intervalos dos programas esportivos e das transmissões, ajudando a vender o refrigerante por causa de suas ‘tampinhas-questionários’. (foto: Alexander Sezko)






História da educação física e do esporte
No final de junho (26 a 28), Montes Claros vai receber uma exposição histórica sobre o esporte, organizada pelo curso de Educação Física da Unimontes. O Memorial, em fase de elaboração, é trabalho da disciplina do professor Georgino de Souza Neto, o Gino, ex-secretário de esportes da cidade. O trabalho vai além da simples exibição de fotos, como a de Zé Carlos Gomes, Beto e Dé Cai N'água, do Ateneu de 1961 (acima). Bem, além... (foto: arquivo JCG)

Futebol de MOC: 1916
Na pesquisa feita até agora, algumas informações surpreendentes, como a origem do futebol em nossa cidade. O primeiro jogo em Montes Claros é datado de 1916. Dúvida? Há documento comprobatório, inclusive com as escalações dos dois times. Coisa séria mesmo...
Na exposição haverá, ainda, bolas, camisas e outros apetrechos que os atletas usaram desde os primórdios do esporte local. E não é só o futebol... Espaço para as reportagens dos jornais, aqueles amarelados pelo tempo, e vídeos, com personagens e fatos. A comunidade pode e deve participar na cessão dos materiais. Empréstimo, claro. Os contatos podem ser pelo e-mail:
netogeorgino@hotmail.com.

Kid já era

Embora o nome de nenhum atleta tenha sido dito no dia da apresentação do projeto de Montes Claros na Superliga Nacional de Vôlei, o time perdeu a primeira briga por um reforço de peso. O ponteiro Kid, ex-Cimed, que joga também como líbero, optou em ir para o Pinheiros de São Paulo, mesmo tendo sido procurado pelos montes-clarenses. O atacante/oposto Dentinho, no entanto, continua na mira.

Se tem pro Vôlei, tem pro futebol
Foi uma espécie de coro uníssono, logo após o lançamento do projeto do time de vôlei, semana passada. Como a prefeitura assumiu uma cota de R$ 550 mil para patrocinar o recém-nascido Claro/Montes Claros, teoricamente, passaria a ter a mesma disposição – talvez em valores diferentes – para ajudar também um time profissional da cidade. Ao que parece, diante dos fatos, o Funorte é a bola da vez, caso as arestas políticas sejam acertadas ou deixadas de lado.

Time da fé

Com certeza, a maior novidade para o Campeonato Amador Adulto será o Pentecostal. Apesar de haver outros estreantes na competição deste ano, que começará em agosto, o time ganha destaque por estar nascendo dentro de uma igreja. Os próprios fiéis estão organizando a papelada para a filiação na Liga.




Formiga, MOC, Alemanha...
“Made in Formiga”, como gosta de se orgulhar, a jornalista Raquel Laudares deixou o Norte de Minas, depois de uma empreitada de pouco mais de seis meses na Rede InterTV Grande Minas. Os motivos são pessoais; nada contra fulano ou sicrano (e beltrano também!), mas sim a oportunidade de estágio em uma emissora da Alemanha, onde gastará seu talento na base do inglês.
Entre as dezenas de viagens e centenas de passagens pelo Norte de Minas afora, diria, também encarou o sol e queimou a palma da mão - como os calejados repórteres esportivos - protegendo os olhos para acompanhar as labutas do Funorte no Estádio José Maria Melo, pelo Módulo II. Fez até a última entrevista com o demitido Luiz Eduardo (acima). E, aí, Montes Claros foi lição: teve que aprender sobre o esporte, do qual só ouvira falar. Aposto que, na Europa, a lição de MOC será especial para que possa até reportar o futebol, desde que não seja no impronunciável alemão. Sucesso girl!. (foto: Rubem Ribeiro)
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

1 comentários:

Raquel disse...

Vou sentir saudades de subir a escada íngrime que dá acesso às cabines de imprensa, no José Maria Melo. Obrigada, Chris, pelas aulas, pela assessoria e pelo carinho. Onde eu estiver, você sempre terá uma amiga.
Bjs germânicos!!!