O olho da Líder

Uma das maiores construtoras do País, a Líder veio a Montes Claros fazer triagens sobre terrenos estratégicos para erguer condomínios. O crescente imobiliário nos quatro cantos do Brasil, ainda mais com programa governamental, vem motivando a empresa a investir no interior.
No caso específico de Montes Claros, são cinco áreas em estudo, sendo uma delas bem central e que tem a ver com o esporte. Isso mesmo que pensaram! A Líder está de olho no estádio João Rebello, casa do ainda adormecido Ateneu como apelidou o amigo George Nande.

Não que o JR esteja à venda. Pelo contrário, a diretoria vem trabalhando para levantar o dinheiro de sua reforma, a começar pelo gramado (nada menos do que R$ 50 mil).
Mas numa hipotética negociação nesse sentido, o estádio apresentaria sua peculiaridade, o que impediria uma venda pelos próximos 100 anos (ou mais). Fracionadas entre os sócios do clube desde sua construção, no início da década de 50, as cotas já se tornaram objeto de heranças e espólios para muitos. Qualquer tipo de venda - reforço mais uma vez: apenas hipótese - chegaria às instâncias jurídicas num estalar de dedos.
Surgiria então, nova (s) dúvida (s): quem são esses sócios? As cotas são vitalícias mesmo diante da inadimplência de décadas? Como resgatar e comprovar estas cotas? Esse, então, passa a ser o capítulo maior da história; com ou sem a Líder...
Compartilhar no Google Plus

Christiano Jilvan

Jornalista com quase 20 anos de profissão. Foi repórter e subeditor do Jornal de Notícias por mais de uma década, além de freelancer para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e O Tempo. Colaborador para as TVs Geraes, Canal 20 e InterTV e Rádios Terra AM e Transamérica FM.

1 comentários:

João Renato Diniz Pinto disse...

Olá, Christiano Jilvan... Tenho a carteirinha do meu avô paterno de sócio do Ateneu... Os sócios têm direito a alguma parte no estádio do Ateneu? Abraços e parabéns pelo blog... João Renato Diniz Pinto